Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa devolvem com Banco da Inglaterra

Data de criação:

access_time 06/08/2020 - 15:17

Data de atualização:

access_time 06/08/2020 - 15:17
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Europa fecharam no vermelho nesta quinta-feira, em parte com os investidores realizando lucros e, ao mesmo tempo, com as atenções na temporada de resultados financeiros. No pano de fundo ficou a discussão no Congresso norte-americano sobre o pacote de ajuda em US$ 1 trilhão. Entretanto, as projeções do Banco Central da Inglaterra também ajudaram a azedar o humor dos negociadores.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 0,73% aos 362.49 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 1,27% aos 6.026 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,54% aos 12.591 pontos; o CAC 40 (Paris) recuou 0,98% a 4.885 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 1,34% aos 19.475 pontos; o Ibex 35 (Madri) recuou de 1,16% a 6.957 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,56% a 4.378 pontos.

O índice DAX caiu, mesmo com os dados industriais melhores do que o esperado para a Alemanha, mostrando sinais encorajadores de recuperação da maior economia da Europa. No índice DAX, as ações da gigante de engenharia, Siemens, subiram 1,62%. As previsões de uma recuperação de lucro da Adidas também puxaram as ações em 1,87% e ajudaram o índice.

Já o Banco Central da Inglaterra manteve a taxa de juros na mínima histórica em 0,1%. Porém, a declaração do presidente do Banco Central, Andrew Bailey, de que não há planos de aplicar taxas de juros negativas nos próximos meses, apesar da “posição restrita” do banco central, também pressionou os índices. O Comitê também decidiu manter inalterado o tamanho do programa de compra de títulos do banco central em £745 bilhões (US$ 981 bilhões). Por fim, o presidente do banco central considerou a queda na economia em 9,5% para 2020, a partir de uma previsão inicial de queda de 14%. O aumento de 15% para 2021, previsto em maio, foi revisado para um aumento de 9%.

Na Alemanha, as encomendas industriais subiram 27,9% em junho, superando as expectativas dos economistas de um aumento de 10,1%, lideradas pela forte demanda por bens domésticos. Os pedidos de automóveis aumentaram 66,5%, mas ainda permaneceram abaixo do nível pré-crise de fevereiro. Os dados são do Destatis.

Sobre as ações, as da Deutsche Lufthansa subiram 1,2%, apesar da companhia ter atingido sua maior perda trimestral de todos os tempos com a demanda por viagens aéreas diminuindo. A companhia aérea disse que não espera que a demanda de passageiros retorne aos níveis anteriores ao COVID-19 antes de 2024. Analistas de Bernstein disseram que o prejuízo líquido de € 1,5 bilhão de euros foi melhor do que o consenso em € 280 milhões.

A Glencore viu as ações caindo 8%, com a gigante produtora de mineração e commodities reduzindo seu dividendo em 2020, isso depois de registrar um prejuízo líquido de US $ 2,6 bilhões no primeiro semestre do ano. A perda foi impulsionada por prejuízos de US $ 3,2 bilhões, como resultado de preços mais baixos de commodities.

Na Itália, o em junho de 2020, o índice de produção industrial, ajustado sazonalmente, aumentou 8,2% em relação ao mês anterior. A variação da média dos últimos três meses em relação aos três meses anteriores foi de -17,5%. O índice de produção industrial ajustado do calendário diminuiu 13,7% em comparação com junho de 2019 (os dias úteis do calendário são 21 versus 20 dias em junho de 2019). O índice de produção industrial não ajustado diminuiu 11,0% em relação a junho de 2019. Os dados são do Istat.

Veja mais detalhes aqui

*Por Ivonéte Dainese de relatórios oficiais e com agências

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?