Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa devolvem esperando bancos centrais

Data de criação:

access_time 09/06/2020 - 15:07

Data de atualização:

access_time 09/06/2020 - 15:07
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas de valores da Europa devolveram os ganhos nesta terça-feira. Os investidores aproveitaram para resgatar lucros e, ao mesmo tempo, esperando pelos bancos centrais. Além disso, os indicadores econômicos da Alemanha para o mês de maio justificaram as péssimas estimativas provocadas pelo coronavírus.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 1,22% aos 369.54 pontos em Londres; o índice FTSE100, bolsa de Londres, ficou em queda de 2,11% aos 6.335 pontos; o índice DAX30, bolsa de Frankfurt, ficou em queda de 1,57% aos 12.617 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 1,55% aos 5.095 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 1,49% aos 19.930 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 1,82% a 7.752 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 1,63% a 4.523 pontos.

Sobre a pandemia, a Organização Mundial da Saúde disse que é muito raro pessoas assintomáticas espalharem o vírus, o que acabou permanecendo no foco das autoridades de saúde.

Para amanhã (10), o Federal Reserve vai decidir sua política monetária. O mercado aguarda por mais alguma medida de amparo econômico.

Sobre os indicadores, a Alemanha viu as exportações caindo, enquanto a pesquisa do Banco da França sobre os setores de manufatura e construção revelou recuperação em maio.

Entre as notícias corporativas estava a fabricante de cigarros British American Tobacco, com ações caindo 4%. A companhia anunciou a redução de ganhos e diretrizes de vendas para o ano, culpando uma queda de receita de 3% devido ao menor volume de viagens internacionais.

As ações do grupo de engenharia do Reino Unido Aveva subiram 4,08%, depois do anúncio do aumento de 23% no lucro operacional ajustado. A receita subiu 9% e a companhia manteve o pagamento de dividendos.

Na Europa, o PIB, ajustado sazonalmente, diminuiu 3,6% na Zona do Euro e 3,2% na União Europeia durante o primeiro trimestre de 2020, em comparação com o trimestre anterior, de acordo com uma estimativa publicada pelo Eurostat, o escritório de estatística da União Europeia. Esses foram os declínios mais acentuados observados desde o início da série cronológica em 1995.

Na Alemanha, a exportação de mercadorias ficou no valor de € 75,7 bilhões e a importação no valor de € 72,2 bilhões em abril de 2020. Com base em dados provisórios, o Serviço Federal de Estatística (Destatis) também informou que as exportações caíram 31,1% e as importações 21,6% em abril de 2020 ano a ano. Esse foi o maior declínio das exportações em um mês em comparação com o mesmo mês do ano anterior desde a introdução das estatísticas do comércio exterior em 1950. A última vez em que as importações alemãs caíram tanto foi em julho de 2009 durante a crise financeira (-23,6%).

Na França, em abril de 2020, o déficit aumentou significativamente (+ € 1,8 bilhão) após a forte redução em março (- € 1,7 bilhão), a queda nas exportações foi maior este mês do que a das importações (em março, a situação foi inversa, o declínio nas importações superou o das exportações). Essa contração muito acentuada do comércio nos últimos dois meses está ligada às medidas de contenção implementadas na França e no mundo, no contexto da crise da saúde Covid-19. Os dados são do Ministério de Finanças e Economia da França.

*Por Ivonéte Dainese de relatórios oficiais e com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?