Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa fecham a semana no vermelho com a COVID-19

Data de criação:

access_time 03/04/2020 - 15:55

Data de atualização:

access_time 03/04/2020 - 15:56
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas europeias recuaram forte nesta sexta-feira, com as informações sobre a COVID-19 e também com os indicadores econômicos, sendo que todos já com a influência da epidemia.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 0,97% aos 309.06 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 1,18% aos 5.415; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,47% a 9.525; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 1,57% a 4.154; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 2,67% aos 16.384; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 0,11% a 6.581; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda 0,52% a 3.972.

Nesta sessão, os poucos pontos positivos ficaram com as ações das farmacêuticas, como as Novartis, com ganho de 1,7%, e as da AstraZeneca, ganho de 1%. Na mesma linha ficaram as ações do Grupo Nestlé, 1,3%.

As ações da Hennes & Mauritz subiram 0,95%, os melhores resultados no Stoxx 600, já que o varejista sueco registrou um primeiro trimestre mais forte do que o esperado no conjunto de resultados. A empresa teve que fechar milhares de lojas devido à pandemia, com demissões temporárias e possíveis redundâncias. As vendas de março caíram 46% ano a ano, uma vez que alertaram para uma perda fiscal no segundo trimestre.

Os preços do petróleo subiram outra vez impulsionados pelas esperanças de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados acertem um corte na produção e terminem a guerra de preços devastadora entre a Arábia Saudita e a Rússia.

Hoje, depois dos ganhos de ontem, as ações das petroleiras entraram em realização de lucros. As da BP caíram 2% e as da Total perderam 6,4%.

Entre as ações com ganhos no índice pan-europeu ficaram as da Tullow Oil, alta de 47,99%, as da Aker BP ASA, alta de 10,90%, as da Subsea, alta de 7,59%. Na contramão ficaram as ações da Hammerson, queda de 25,11%, as da Natixis, queda de 18,72%, e as ams AG, queda de 11,32%.

Entre as ações com ganhos na bolsa de Frankfurt ficaram as da Deutsche Boerse, alta de 4,34%, as Fresenius SE, alta de 3,64%, Merck KGaA, alta da 3,64%, Bayer, alta de 0,34%, e Linde, alta de 0,16%. Na contramão ficaram as ações da Adidas, queda de 4,65%, as da E.ON, queda de 2,53%, e as do Deutsche Bank, queda de 1,42%.

Na Europa, o índice IHS Markit PMI Composto de Saída registrou seu maior declínio mensal já registrado em março, atingindo um recorde de 29,7. Não apenas o índice caiu de 51,6 em fevereiro, mas também foi notavelmente mais fraco do que a estimativa anterior de 31,4, já que a pandemia da doença de coronavírus 2019 (COVID-19) teve um forte impacto sobre a economia do setor privado da Zona do Euro.

O Índice de Atividade de Negócios de Serviços PMI da IHS Markit Eurozone caiu significativamente em março, para um novo recorde de baixa de 26,4. A queda mensal de 52,6 em fevereiro também foi um recorde.

Veja mais detalhes aqui

*Por Ivonéte Dainese e tradução de agências internacionais e relatório

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?