Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Bolsas da Europa fecham em campo positivo esperando bancos centrais

Data de criação:

access_time 16/09/2020 - 14:47

Data de atualização:

access_time 16/09/2020 - 14:47
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As bolsas da Europa fecharam no azul nesta quarta-feira. As expectativas permaneceram nas  reuniões dos bancos centrais, com o Federal Reserve fechando hoje e amanhã o Banco da Inglaterra. Nesta sessão, as ações do setor de varejo subiram.

Ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 0,58% aos 373.13 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,44% aos 6.078 pontos; o DAX -30 (Frankfurt) ficou em alta de 0,29% aos 13.255 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 0,13% a 5.074 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou estável 0,04% aos 19.963 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 1,06% a 7.110 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,22% a 4.293 pontos.

Hoje, além dos bancos centrais, os indicadores econômicos também ficaram entre os destaques.

Nesta sessão, o setor de varejo liderou os ganhos. As ações da Inditex subiram 6%, depois que a proprietária espanhola da Zara e Bershka voltou a ter lucro no segundo trimestre, ante o prejuízo no trimestre anterior com fechamentos de lojas por conta da COVID-19.

As vendas online do grupo aumentaram 74% no primeiro semestre do ano, embora a varejista tenha tido um prejuízo líquido naquele período. A empresa disse que 98% das lojas já estão abertas.

As ações da rival, H&M, subiram 1,51%, depois que a gigante superou as expectativas de lucro em cerca de 2%.

As ações da fabricante de roupas esportivas da Alemanha, a Puma, subiram 1,8%.

Na contramão ficaram as ações das petroleiras, como a Total caindo 1,8% e a Royal Dutch Shell Group recuando 1,3%.

Por fim, em Londres, as ações do International Consolidated Airlines Group caíram 4%, depois que o chefe da British Airways disse ao Commons Transport Select Committee que a companhia aérea estava “lutando pela sobrevivência”. O presidente-executivo, Álex Cruz, disse que a perda de empregos causada pela pandemia da companhia aérea totalizaria 10 mil, ante um número anterior de 12 mil.

Na Europa, em julho de 2020, as medidas de contenção COVID-19 amplamente introduzidas pelos Estados-Membros continuaram a ter um impacto notável no comércio internacional de mercadorias.

A primeira estimativa para as exportações de bens da Zona do Euro (EA19) para o resto do mundo foi de € 185,2 bilhões, queda de 10,4% em comparação com julho de 2019 (€ 206,7 bilhões). As importações do resto do mundo cifraram-se em € 157,3 mil milhões, uma queda de 14,3% face a julho de 2019 (€ 183,5 mil milhões).

No Reino Unido, a taxa de inflação em 12 meses do Índice de Preços ao Consumidor, incluindo os custos de habitação dos ocupantes (CPIH) foi de 0,5% em agosto de 2020, ante 1,1% em julho de 2020.

No Reino Unido, os preços das casas subiram 3,4% no ano até junho de 2020, ante 1,1% em maio de 2020. Em uma base não corrigida de sazonalidade, os preços médios das casas subiram 2,7% entre maio de 2020 e junho de 2020, em comparação com um aumento de 0,4% durante o mesmo período do ano anterior (maio de 2019 e junho de 2019).

*Por Ivonéte Dainese de relatórios oficiais e com agências

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?