Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: De volta às compras com China no foco global

Data de criação:

access_time 04/02/2020 - 20:15

Data de atualização:

access_time 04/02/2020 - 20:15
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados acionários globais reagiram bem com as decisões do governo da China para evitar um colapso econômico promovido pelo coronavírus. Em dia de poucos indicadores econômicos, os investidores concentraram as atenções nas temporadas de balanços, nas notícias corporativas e também no quadro político que começa a ser pintado nos Estados Unidos.

Na Ásia, as bolsas fecharam em campo positivo. Os índices da China voltaram para os destaques,  com o Banco do Povo- PBoC liberando mais recursos pelo segundo dia consecutivo. O Banco Central da Austrália manteve a taxa de juros em 0,75% ao ano.

Na Europa, os investidores seguiram os asiáticos. A agenda local estava fraca, o que permitiu também a busca pelo risco. Autoridades de saúde estão mantendo a vigilância para impedir a entrada do coronavírus.

Nos Estados Unidos, novos recordes marcaram as negociações de hoje. O destaque ficou com o Nasdaq. O cenário político já está no cardápio dos negociadores de Wall Street. O presidente Donald Trump, que é presidenciável e passa por processo de impeachment, fará o discurso do Estado da União às 21h no horário Leste [23h no de Brasília].

Por aqui, no flerte global, o Ibovespa ganhou força com as ações da Vale e Petrobras, os dois pontos de peso para o índice. Os resultados da produção industrial brasileira de dezembro e do ano de 2019, bem abaixo das projeções, não refletiram no humor dos investidores. O governo vai buscar os brasileiros em Wuhan, China, epicentro do coronavírus.

O dólar comercial subiu e o índice DXY ficou com alta marginal.

Sobre os mercados

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em alta de 1,21% a 26.675 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,80% a 1.638. O índice Xangai ficou em alta de 1,34% a 2.783. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 1,29% a 3.156. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,49% aos 23.084. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,37% a 6.948. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,84% a 2.157. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 2,30% aos 40.789. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 1,77% aos 11.555.

Na Europa, ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 1,64% aos 418.47 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em alta de 1,55% aos 7.4391; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em alta de 1,81% a 13.281; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 1,76% a 5.935; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta de 1,64% aos 23.844; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 1,68% a 9.562; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,75% a 5.264.

Nos Estados Unidos, ao final, o Dow Jones ficou em alta de 1,44% aos 28.807 pontos. O S&P ficou em alta 1,46% aos 3.296 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 2,10% aos 9.467 pontos.

No Brasil, ao final, o Ibovespa fechou em alta de 0,81% aos 115.556 pontos. O giro financeiro ficou em R$23,09 bilhões.

Operaram com ganhos
Cogna ON, alta de 5,58%; Gerdau PN, alta de 4,28%; Equatorial ON, alta de 3,45%; Cia Hering ON, alta de 3,44%; e ViaVarejo ON, alta de 3,17%.

Operaram com perdas
JBS ON, queda de 2,28%; Cielo ON, queda de 2,79%; Energias BR ON, queda de 1,96%; Suzano ON, queda de 1,54%; e Lojas Renner ON, queda de 1,52%.

Mais negociadas
Petrobras PN, alta de 1,60%; Qualicorp ON, queda de 0,23%; Vale ON, alta de 2,67%; Bradesco PN, alta de 0,05%; e Petrobras ON, alta de 2,47%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,18% a US$54,51 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 1,00% aos US$49,61 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 4,21% aos US$83,76 a tonelada seca e com 62% de pureza.

No Brasil, ao final e no interbancário, o dólar comercial ficou em alta de 0,22% aos R$4,258 para a venda. O dólar turismo ficou em alta de 2,54% aos R$4,300 para a venda.

O euro ficou estável aos R$4,700 para a venda. A libra ficou em alta de 0,45% a R$5,546 para a venda. O peso argentino ficou estável a R$0,070 para a venda.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em alta de 0,17% a 97,95.

O euro ficou em queda de 0,13% a US$ 1,1045. A libra ficou em alta de 0,28% a US$ 1.3032.

O ouro ficou em queda de 1,51% a US$1,558,50 a onça.

O Bitcoin ficou em queda de 1,06% a US$9,191,87.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?