Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Dia de embolsar lucros

Data de criação:

access_time 11/01/2021 - 20:23

Data de atualização:

access_time 11/01/2021 - 20:23
format_align_left 6 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Depois de uma semana de recordes nas principais bolsas de ações do mundo, os investidores decidiram embolsar lucros nesta segunda-feira (11). Sem agenda econômica, o que também contribuiu para a posição vendida, o radar ficou no avanço da pandemia de coronavírus.

No bolsa de Nova York, por exemplo, os índices devolveram as altas. A Covid-19 e o ambiente político ficaram entre os destaques, isso depois do ataque ao Capitólio na semana passada e com o presidente Donald Trump sendo acusado de incitar o conflito.

Hoje, o FBI declarou que está montando estratégia para a posse do presidente eleito, Joe Biden, e da vice, Kamala Harris, no próximo dia 20. Segundo o FBI, grupos armados estariam combinando ataques antes mesmo da posse. Com isso, o presidente eleito disse que não tem medo, que vai manter a tradição e participar da cerimônia fora do Capitólio. Pelos menos 15 mil soldados da Guarda Nacional deverão garantir a segurança em 50 estados americanos, bem como em Washington, D.C..

Na Europa, os negociadores também realizaram. Porém, os casos de coronavírus, mesmo com o lockdown severo, também pesaram. As ações das empresas que dependem de commodities e de energia reagiram negativamente. A agenda estava praticamente vazia.

Na Ásia, as bolsas recuaram, mas com o índice regional de ações, MSCI Asia Pacific, fechando o pregão em alta modesta de 0,1%. No Japão, mercados permaneceram fechados por conta de feriado local. Já na China, o avanço da Covid-19 obrigou a retomada do lockdown para conter a doença. Neste momento, os futuros operam no negativo.

Por aqui, o Ibovespa surfou na onda externa. A eleição para as escolhas dos presidentes da Câmara e do Senado ficou no pano de fundo. Além disso, os temores pelos avanços da Covid-19 e ainda muitas incertezas sobre o início do processo de imunização ficaram no radar. A agenda local estava vazia.

O dólar comercial deu uma puxada sobre o real.

Coronavírus:

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, mostra que são 90.758.953 casos confirmados de contágio pelo coronavírus no mundo, com 1.942.206 mortes e 50.206.454 pessoas recuperadas

Nos Estados Unidos são 22.557.929 casos confirmados, com 375.576 mortes. A plataforma não fornece resultado geral de pessoas recuperadas.

O Brasil, ainda pela plataforma do Johns Hopkins, são 8.105.790 casos confirmados, sendo que o número de mortes está em 203.580. São 7.272.713 pessoas recuperadas.

O levantamento é de 20h04 desta segunda-feira (11) pelo horário de Brasília.

Veja o comportamento dos mercados

Ásia: o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, fechou em alta de 0,11% aos 27.908 pontos. O índice Xangai, China, ficou em queda de 1,08% aos 3.531. O índice Shenzhen Composite ficou em queda de 1,80% a 2.375 e o ChiNext (ETF) ficou em queda de 1,64%. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,31% aos 2.983. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 1,00% aos 49.269. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,90% aos 6.697. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,12% a 3.148 pontos. O índice Taiex, bolsa de Seul, ficou em alta de 0,60% aos 15.557 pontos.

Europa: o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,67% aos 408.41 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 1,09% aos 6.798 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,80% aos 13.936 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 0,78% aos 5.662 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 0,32% aos 22.722 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,60% aos 8.357 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 2,05% a 5.137 pontos.

Estados Unidos: o Dow Jones caiu 0,29% a 31.008 pontos. O S&P ficou em queda de 0,66% aos 3.799 pontos. O Nasdaq ficou em queda de 1,25% a 13.036 pontos.

Brasil: o Ibovespa fechou em queda de 1,46% aos 123.255 pontos. O giro financeiro ficou em R$35,61 bilhões.

Operaram com ganhos
Intermédica ON, alta de 11,00%; Hapvida ON, alta de 8,46%; PetroRio ON, alta de 4,57%; Braskem PNA, alta de 1,66%; e Usiminas PNA, alta de 1,21%.

Operaram com perdas
Copel PNB, queda de 5,47%; YDUQS Part ON, queda de 5,12%; Energisa UNT, queda de 4,88%; IRBBrasil RE ON, queda de 4,75%; e Sabesp ON, queda de 4,75%.

Mais negociadas
Vale ON, estável; Petrobras PN, queda de 0,84%; Intermédica ON, alta de 11,00%; B3 ON, alta de 4,12%; e PetroRio ON, alta de 4,57%.

Carteira Teórica

Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 04 de janeiro de 2021 a 30 de abril de 2021, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Vale ON (11,330%), Itauunibanco PN (6,868%), Petrobras PN (5,909%), B3 ON (5,417%) e Bradesco PN (5,281%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,09% a US$55,61 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 0,08% aos US$52,20 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no Porto de Qingdao ficou em queda de -0,54% a US$172,13 a tonelada seca.

Brasil: no interbancário, o dólar comercial ficou em alta de 1,60% aos R$5,503 para a venda. O turismo ficou em alta de 1,43% aos R$5,673 para a venda.

O euro ficou em alta de 1,15% a R$6,691 para a venda. A libra esterlina subiu 0,11% a R$7,442 para a venda. O peso argentino ficou em alta de 0,09% a R$0,064 para a venda.

Hoje, o BCB vendeu o lote de 18 mil contratos em leilão de swap para a rolagem com vencimentos em 01 de fevereiro de 2021 e 01 de setembro de 2021.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em alta de 0,42% a 90,47.

O euro subiu 0,48% a US$ 1.2161 e a libra esterlina subiu 0,31% a US$1.3521.

O preço do ouro avançou 0,62% a US$ 1.846,70 a onça.

O Bitcoin operou em queda de 9,63% a US$31,933,48.

*Por Ivonéte Dainese com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?