Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Dia mais positivo nos mercados de ações

Data de criação:

access_time 13/05/2021 - 19:40

Data de atualização:

access_time 13/05/2021 - 19:40
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Depois do estresse promovido pelo indicador da inflação dos Estados Unidos, que tirou o apetite do investidor nas negociações do dia anterior, os índices das principais bolsas de ações voltaram para o positivo.

Hoje, mais dados revelaram que a economia americana está voltando mesmo para os trilhos. Os preços ao produtor subiram 4,1% no mês passado e fora da estimativa de 3,8%. O setor de trabalho também deu sinal mais animador. Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego ficaram em 473 mil para a semana fechada em 08 de maio, queda de 34 mil em relação aos dados da semana anterior e abaixo da projeção de 487 mil. Esses números eliminaram, em parte, o desanimador Payroll divulgado na última sexta-feira.

Ainda por lá, algumas cidades aboliram o uso da máscara de proteção contra o coronavírus, como na cidade de Nova York. Essa medida foi possível com o processo avançado de vacinação. Amanhã, as crianças com idades acima de 12 anos receberão a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

Essa quinta-feira, em dia de agenda enfraquecida, os índices de Wall Street avançaram, os da Europa sustentaram os ganhos, mesmo com as ações das mineradoras devolvendo as altas de ontem, e os da Ásia recuaram ainda sob os efeitos de Nova York no dia anterior. Neste momento, os índices futuros asiáticos estão operando com ganhos.

Por aqui, o Ibovespa ficou volátil, mas acabou mantendo o ganho em 0,8%. O radar ficou nos Estados Unidos, nos balanços financeiros das empresas brasileiras e também em mais uma sessão da CPI da Covid-19 no Senado. Hoje, o depoimento foi o ex-presidente da Pfizer no Brasil em 2020, Carlos Murillo.

O dólar comercial também operou sem direção e fechou em alta marginal.

Coronavírus e a Vacinação no mundo:

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, fez uma alteração na apresentação dos dados da Covid-19 e passou a divulgar o número de vacinas administradas.

No mundo são 160.743.894 casos confirmados de contágio pelo coronavírus (Covid-19), com 3.338.355 mortes e 1.380.053.686 de vacinas administradas.

Nos Estados Unidos são 32.844.759 casos confirmados, com 584.346 mortes e 266.193.557 de vacinas administradas.

Na Índia, que ocupa o 2º lugar no ranking da plataforma, os casos confirmados chegam a 23.703.665, com 258.317 mortos e com 177.214.256 vacinas administradas.

O Brasil está no 3º lugar no ranking pela plataforma do Johns Hopkins. São 15.433.989 casos confirmados por Covid-19, sendo que o número de mortes está em 430.417. Até hoje são 56.377.995 de vacinas administradas.

O levantamento é de 19h20 desta quinta-feira (13/05) pelo horário de Brasília.

Mercados de Ações Globais

Ásia: o Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 1,81% aos 27.718. O Xangai, China, ficou em queda de 0,96% aos 3.429. O Shenzhen Composite ficou em queda de 0,81% aos 2.253 e o ChiNext (ETF) ficou em queda de 0,65%. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 2,49% aos 27.448. O índice Topix ficou em queda de 1,54% aos 1.849. O XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,88% aos 6.982.

Europa: o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,14% aos 437.32 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,59% aos 6.963; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em alta de 0,33% aos 15.199; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 0,14% aos 6.288; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta de 0,14% aos 24.486; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,46% aos 8.966; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,20% a 5.113.

Estados Unidos: o Dow Jones subiu 1,29% aos 34.021. O S&P 500 subiu 1,22% aos 4.112. O Nasdaq subiu 0,72% aos 13.124. O índice VIX caiu 4,46%.

Brasil: o Ibovespa ficou em alta de 0,83% aos 120.705 pontos. O volume financeiro ficou em R$34,47 bilhões.

Moedas: o dólar subiu 0,15% aos R$5,313 para a venda. O turismo ficou em alta de 0,18% aos R$5,470 para a venda.

O euro subiu 0,19% aos R$6,419 para a venda. A libra esterlina subiu 0,06% aos R$7,466 para a venda. O peso argentino subiu 0,11% aos R$0,057 para a venda.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou estável a 90,71.

O euro subiu 0,08% a US$ 1.2079 e a libra ficou estável a US$1.4048.

O preço do ouro subiu 0,22% a US$ 1.826,80 a onça.

O Bitcoin recuou 9,37% aos US$ 49,435,43.

Commodities
O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,09% a US$66,99 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 3,47% aos US$63,79 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?