Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Fevereiro termina nublado…….

Data de criação:

access_time 28/02/2020 - 20:35

Data de atualização:

access_time 28/02/2020 - 20:35
format_align_left 6 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O ano bem que começou animado nos mercados acionários. Os sucessivos recordes dos principais índices acabaram dando lugar ao estresse já em fevereiro, com o avanço do coronavírus. Uma doença que surgiu na China, contaminou e matou centenas de pessoas e avançou para fora da muralha chinesa.

A vírus também contaminou os negócios. O que se vê são empresas completamente paralisadas em território chinês, no verdadeiro “efeito dominó” mundo afora. Com isso, os governos estão mobilizados para conter o avanço da COVID-19 e os cientistas tentando desenvolver vacinas e medicamentos.

Já os analistas apontam para a contração da economia como um todo. Os bancos centrais estão considerando flexibilizar as políticas monetárias e  contabilizando as quedas nos PIBs, em especial o da China.

Diante desse cenário, as bolsas de ações estão fechando o mês de fevereiro com os piores resultados, mais ou menos como a crise iniciada em 2008 nos Estados Unidos. Lembra do estouro da “bolha” imobiliária?

Hoje, a Ásia e a Europa despencaram. Nem mesmo os números referentes ao mês de janeiro, que foram mais animadores, conseguiram sustentar os ganhos. A Itália está no destaque europeu com o maior número de casos.

Em Wall Street, depois de um dia de liquidações e indicadores econômicos mais positivos para os Estados Unidos, os investidores buscaram reparar as perdas com as declarações do Federal Reserve.

Enfim, já sem ritmo de Carnaval, os investidores também mantiveram o foco nos demais. O vírus chegou ao Brasil através de um homem contaminado na Itália. Fora a doença, os ruídos de Brasília também ficaram no radar do mercado. Literalmente, por aqui, o ano começa na próxima segunda-feira (02/03).

Veja o comportamento dos principais índices globais

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 2,42% a 26.129 e o índice Shenzhen Composite ficou em queda de 4,93% a 1.801. O índice Xangai ficou em queda de 3,71% a 2.880. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 3,23% a 3.011. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 3,67% aos 21.142. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 3,25% a 6.441. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 3,30% a 1.987. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 3,64% aos 38.297. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 1,24% aos 11.292.

Na Europa, ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em queda de 3,54% aos 375.65 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 3,18% aos 6.580; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 3,86% a 11.890; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 3,38% a 5.309; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 3,58% aos 21.984; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 2,92% a 8.723; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 3,76% a 4.76%.

Nos Estados Unidos, ao final, o Dow Jones ficou em queda de 1,39% aos 25.409 pontos. O S&P ficou em queda de 0,82% a 2.954 pontos. O Nasdaq ficou estável aos 8.567 pontos. O Dow perdeu 10% em fevereiro, o S&P 500 caiu 8,4% e o Nasdaq caiu 6,4%.

No Brasil, o Ibovespa engatou alta de 1,15% aos 104.171 pontos, ficou em queda semanal de 8,36%, perdeu 8,42% no mês de fevereiro. No ano, a desvalorização do índice é de 9,92%. O volume financeiro de hoje foi de R$40,03 bilhões.

Operaram com ganhos
MRV ON, alta de 7,26%; RaiaDrogasil ON, alta de 5,86%; Cielo ON, alta de 5,55%; Carrefour BR ON, alta de 5,51%; e Lojas Renner ON, queda de 4,41%.

Operaram com perdas
TOTVS ON, queda de 3,57%; GOL PN, queda de 3,03%; IRBBrasil RE ON, queda de 2,58%; ViaVarejo ON, queda de 1,92%; e WEG ON, queda de 1,86%.

Mais negociadas
Petrobras PN, alta de 0,16%; Vale ON, queda de 0,36%; ItauUnibanco PN, alta de 2,99%; B3 ON, alta de 4,26%; e Brasil ON, queda de 2,34%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em alta de 0,68% a US$50,01 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 3,91% aos US$45,25 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro ficou em queda de 3,31% a US$1.587,70 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 2, 05% aos US$83,96 a tonelada seca e com 62% de pureza.

No Brasil, ao final, no interbancário, o dólar comercial ficou em alta de 0,13% aos R$4,481 para a venda. No mês de fevereiro, o ganho foi de 4,55%, na semana a valorização foi de 2% e acumula alta de 11,66% no ano. O dólar turismo recuou 0,21% aos R$4,660 para a venda.

O euro ficou em alta de 0,30% aos R$4,948 para a venda. A libra ficou em queda de 0,68% a R$5,744 para a venda. O peso argentino subia 0,13% a R$0,072 para a venda.

O BCB anunciou cerca de US$ 4 bilhões em novas intervenções. Às 9h30, realizou leilão extraordinário de swap cambial no montante de US$ 1 bilhão, e às 10h20, foram US$ 3 bilhões em linha de venda de dólar com compromisso de compra futura, além dos US$ 650 milhões em swap para a rolagem de abril (às 11h30).

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em queda 0,39% a 98,13 pontos. O dólar segue pressionando apenas as moedas emergentes, como o real brasileiro.

O euro ficou em alta de 0,23% a US$ 1,1033. A libra ficou em queda de 0,53% a US$1.2821.

O ouro ficou em queda de 3,36% a US$1,583,30 a onça.

O Bitcoin ficou em queda de 0,98% aos US$8,708,09.

E assim termina fevereiro……

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?