Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Investidor parte para o risco com economias reabrindo

Data de criação:

access_time 27/04/2020 - 19:37

Data de atualização:

access_time 27/04/2020 - 19:37
format_align_left 6 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados acionários globais fecharam com ganhos nesta segunda-feira, com os sinais de que a pandemia pode estar perdendo força no mundo. Os investidores também estão elevando as expectativas sobre as decisões dos bancos centrais.

A reta final de abril, com o mundo em quarentena determinada pelas autoridades com o objetivo de conter o avanço da COVID-19, também eleva a projeção de que o impacto econômico será bem maior que o estimado.

Começando pela Ásia, as bolsas fecharam com ganhos. A decisão do Banco Central do Japão – BoJ, que não mexeu com a taxa de juros e renovou uma série de medidas monetárias, também deu alívio para as compras. A China está retomando as atividades nas empresas.

Os investidores europeus também acompanharam os asiáticos. Alguns países estão suspendendo parcialmente a quarentena. Hoje, o primeiro-ministro do Reino Unido Boris Johnson voltou ao trabalho, porém, não deu uma data precisa para que o país suspenda o lockdown.

Nos Estados Unidos, a polêmica prossegue sobre a reabertura das atividades. Governadores vão para um lado e o presidente Donald Trump para o outro. Mesmo com essa falta de direção, os investidores partiram para o risco e já com o foco na reunião do Federal Reserve. A enxurrada de balanços financeiros está entre os destaques.

Por aqui, com o investidor olhando para os demais mercados, a bolsa de valores de São Paulo recuperou parte das perdas. O dólar comercial ficou estável.

Sobre o coronavírus

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins mostrou que são 3.034.801 casos confirmados pelo coronavírus pelo mundo, sendo que o número de mortes está em 210.551. Os casos em recuperação somaram 891.548.

Nos Estados Unidos atualmente são 985.374 casos confirmados com 55.906 mortes e 110.598 pessoas recuperadas.

No Brasil, ainda pela plataforma do Johns Hopkins, os casos confirmados somam 66.501, sendo que o número de mortes está em 4.543 com 31.142 pessoas recuperadas. O levantamento é de 19h15 no horário de Brasília.

Veja o comportamento dos mercados

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em alta de 1,88% a 24.280 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,06% a 1.738. O índice Xangai ficou em alta de 0,25% a 2.815. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 1,24% a 2.549. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 1,50% a 5.321. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 2,71% aos 19.783. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,79% a 1.922. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 1,33% os 31.743. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 2,13% aos 10.567.

Na Europa, ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 1,77% aos 335.44 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em alta de 1,64% aos 5.846 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) subiu 3,13% a 10.336 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 2,55% a 4.505 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta 3,09% aos 17.380 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 1,78% a 6.731 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,59% a 4.136 pontos.

Nos Estados Unidos, ao final, o Dow Jones ficou em alta de 1,51% aos 24.133 pontos. O S&P ficou em alta de 1,47% aos 2.878 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 1,11% aos 8.730 pontos.

No Brasil, ao final, o Ibovespa ficou em alta de 3,86% aos 78.238 pontos. O volume financeiro ficou em R$24,18 bilhões.

No Brasil, Operaram com ganhos
Via Varejo ON, alta de 18,65%; Braskem PNA, alta de 13,52%; BRF ON, alta de 10,84%; Marfrig ON, alta de 10,05%; TOTVS ON, alta de 10,06%; e SulAmerica UNT, alta de 1,29%.

Operaram com perdas
Embraer ON, queda de 7,49%; Qualicorp ON, queda de 2,45%; Hypera ON, queda de 2,27%; Smiles ON, queda de 0,36%.

Mais negociadas
Petrobras PN, alta de 3,13%; Vale ON, alta 1,81%; ViaVarejo ON, alta de 18,65%; Magaz. Luiza ON, alta de 4,47%; e ItauUnibanco PN, alta de 3,30%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent fechou em queda de 6,58% aos US$20,03 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 23,67% aos US$12,93 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 1,03% a US$83,48 a tonelada seca.

No Brasil, ao final e no interbancário, o dólar comercial ficou estável aos R$5,663 para a venda. O dólar turismo recuou 1,66% a R$5,890 para a venda.

O euro subiu 1,23% aos R$6,126 para a venda. A libra esterlina ficou em alta de 1,67% a R$7,033 para a venda. O peso argentino subiu 0,94% a R$0,085 para a venda.

O Banco Central do Brasil colocou em swap cambial o lote com 20 mil contratos nesta segunda-feira e vendeu US$600 milhões em leilão à vista.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, operou em queda de 0,30% aos 100,08.

O ouro ficou em queda de 0,60% a US$1.725,20 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O euro ficou estável a US$ 1,0826 e a libra esterlina ficou em alta de 0,47% a US$1.2425.

O Bitcoin subiu 0,56% aos US$7,745,75.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?