Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Investidor sem direção……

Data de criação:

access_time 16/04/2020 - 20:59

Data de atualização:

access_time 16/04/2020 - 20:59
format_align_left 7 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os investidores dos mercados acionários globais ficaram divididos nos negócios desta quinta-feira. O que se vê é a ansiedade tomando conta de todos ante os sinais de que o futuro será árduo depois da pandemia de coronavírus.

Alguns analistas internacionais consideram que a busca por uma retomada econômica está promovendo o vai e vem dos mercados, mas que ainda nada pode ser comemorado. Aliás, essa conclusão ficou evidente no decorrer dessa semana.

Na Ásia, por exemplo, os números apresentados pela China e a volta gradual das empresas ajudaram a alimentar o humor dos investidores, que também acompanham sempre o fechamento do dia anterior de Wall Street para montar as posições. Hoje, por exemplo, os índices fecharam divididos e a expectativa estava voltada para os indicadores econômicos dos Estados Unidos. Por outro lado, uma boa parte manteve a cautela porque a China se prepara para soltar uma enxurrada de relatórios amanhã (17). Estão previstos os dados de inflação, produção industrial, vendas no varejo, entre outros.

A Europa já respira, pelo menos é o que demonstram os líderes. A Alemanha já deverá retomar alguns setores na próxima semana e as escolas no dia 04 de maio. Outros países também já estão voltando, mas o Reino Unido prorrogou a quarenta. Vale lembrar que o primeiro-ministro Boris Johnson ainda está em recuperação. Os dados econômicos para a Zona do Euro e União Europeia ficaram entre os destaques.

Na bolsa de Nova York, os índices de peso fecharam com ganhos. O dia, com indicadores nada animadores, foi de expectativa para alguma declaração do presidente Donald Trump sobre a volta aos negócios. Trump discutiu com governadores a estratégia de como e quando a vida poderá voltar ao normal. Os números da China também darão o rumo para os negócios amanhã, bem como a temporada de resultados.

Por aqui, o mercado financeiro acompanhou o cenário externo, mas o índice não teve força para fechar em campo positivo. A dança das cadeiras em Brasília, com a saída do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ficou no radar. Porém, a cautela permanece na relação do presidente Jair Bolsonaro com o Congresso, com o Supremo Tribunal Federal e também com grande parte dos governadores.

O dólar comercial fechou com ligeira alta ante o real.

Veja o comportamento dos mercados

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em queda de 0,58% a 24.006 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,48% a 1.744. O índice Xangai ficou em alta de 0,31% a 2.819. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,26% a 2.612. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,92% a 5.416. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 1,33% aos 19.290. O índice Kospi, Seul, ficou estável a 1.857. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 0,73% os 30.602. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,69% aos 10.375.

Na Europa, ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 0,58% aos 324.92 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em alta de 0,55% aos 5.628 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) subiu 0,21% a 10.301 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 0,08% a 4.350 pontos; o FTSE-MIB (Milão) subiu 0,29% aos 16.768 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 1,11% a 6.763 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,75% a 4.106 pontos.

Nos Estados Unidos, ao final, o Dow Jones ficou em alta de 0,14% aos 23.537; o S&P ficou em alta de 0,58%; e o Nasdaq, alta de 1,66% aos 8.532.

No Brasil, ao final da jornada na B3, o Ibovespa caiu 1,29% aos 77.811 pontos. O volume financeiro ficou em R$21,16 bilhões.

Operaram com ganhos
RaiaDrogasil ON, alta de 2,73%; Maga. Luiza ON, alta de 3,92%; e Cosan ON, alta de 0,53%.

Operaram com perdas
Lojas Amer. PN, queda de 0,97%; TOTVS ON, queda de 0,17%; Ecorodovias ON, queda de 0,10%; Telef. Brasil PN, queda de 3,58%; Santander BR UNT, queda de 3,68%; Ambev ON, queda de 0,17%; e Petrobras PN, queda de 0,51%.

Mais negociadas
Petrobras PN, queda de 0,51%; Vale ON, queda de 1,02%; ItauUnibanco PN, zerada; Via Varejo ON, queda de 1,08%; e Magaz. Luiza ON, alta de 3,92%.

A B3 divulgou hoje a segunda prévia da nova carteira do Índice Bovespa que vai vigorar de 04 de maio de 2020 a 04 de setembro de 2020, com base no fechamento do pregão de ontem (15). A prévia do Ibovespa registrou a entrada de CPFL Energia ON (CPFE3), Energisa UNT (ENGI11), Minerva ON (BEEF3), totalizando 76 ativos de 73 empresas.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent fechou em alta de 2,31% aos US$28,33 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 0,60% aos US$19,75 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 0,18% a US$86,86 a tonelada seca e com 62% de pureza.

No Brasil, ao final e no interbancário, a moeda fechou em alta de 0,26% aos R$5,256 para a venda. O dólar turismo subiu 0,36% a R$5,540 para a venda.

O euro ficou em queda de 0,30% aos R$5,699 para a venda. A libra esterlina ficou em queda de 0,33% a R$6,543 para a venda. O peso argentino ficou estável a R$0,080 para a venda.

O Banco Central do Brasil colocou 10.000 contratos de swap cambial, que equivale a venda no mercado futuro, para vencimentos em maio.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em alta de 0,68% aos 100,14.

O ouro ficou em queda de 1,34% a US$1.745,20 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O euro caiu 0,64% a US$ 1,0836 e a libra esterlina ficou em queda de 0,58% a US$1.2452.

O Bitcoin valorizou 6,53% aos US$7,035,95.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios oficiais e agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?