Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Mercados ficam de lado em semana confusa

Data de criação:

access_time 21/05/2021 - 20:32

Data de atualização:

access_time 21/05/2021 - 20:32
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os principais mercados acionários globais fecharam as negociações desta sexta-feira (21/05) sem direção com um pouco de correção, realização de lucros e cautela.

Na semana, o radar ficou no banco central dos Estados Unidos, com as expectativas elevadas para a ata da última reunião de política monetária, que veio sem grandes novidades. Porém, nunca se falou tanto em inflação no mundo, o que acabou colocando a “luz amarela” nos negócios em bolsas de valores.

Nesta sexta-feira, entretanto, com os negociadores mais “calmos”, a bolsa de Nova York fechou com os índices de peso sem direção. Mas na semana, o Dow Jones e o S&P não conseguiram manter os ganhos e apenas o Nasdaq subiu. As ações de tecnologia voltaram para o apetite dos negociadores. Os índices apresentados hoje pela IHS Markit também animaram.

Na Europa, depois de dois a dois, os principais índices acionários fecharam no azul. Os dados do PMIs também surpreenderam positivamente, com as esperanças renovadas pela vacinação e permitindo as reaberturas de algumas economias.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem direção. Embora com os indicadores econômicos da China chegando sem grandes alterações. O radar ficou mesmo em cima dos preços das principais commodities, como o minério de ferro. Pequim anunciou medidas mais enérgicas para conter o avanço dos preços. De outro lado, a economia japonesa segue patinando, com o país enfrentando mais uma onda de coronavírus.

Por aqui, o Ibovespa ficou estável e ganhou força na semana. O pregão de hoje foi morno. Arranjos corporativos ficaram no radar, em dia de agenda esvaziada. A CPI da Covid-19 esquentou o clima polítivo da semana.

O dólar comercial ganhou força na semana e na sessão.

Coronavírus e a Vacinação no mundo:

O Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, fez uma alteração na apresentação dos dados da Covid-19 e passou a divulgar o número de vacinas administradas.

No mundo são 165.848.289 casos confirmados de contágio pelo coronavírus (Covid-19), com 3.437.836 mortes e 1.597.095.865 de vacinas administradas.

Nos Estados Unidos são 33.082.423 casos confirmados, com 589.204 mortes e 279.196.860 de vacinas administradas.

Na Índia, que ocupa o 2º lugar no ranking da plataforma, os casos confirmados chegam a 26.031.991, com 291.331 mortos e com 188.746.910 vacinas administradas.

O Brasil está no 3º lugar no ranking pela plataforma do Johns Hopkins. São 15.970.949 casos confirmados por Covid-19, sendo que o número de mortes está em 446.309. Até hoje são 61.853.902 vacinas administradas.

O levantamento é de 20h18 desta sexta-feira (21/05) pelo horário de Brasília.

Mercados de Ações Globais

Ásia: o Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou estável aos 28.458. O Xangai, China, ficou em queda de 0,58% aos 3.486. O Shenzhen Composite ficou em queda de 0,45% aos 2.319 e o ChiNext (ETF) ficou em queda de 0,90%. O Sensex, bolsa de Mumbai, ficou em alta de 1,97% aos 50.540. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,78% aos 28.317. O índice Topix ficou em alta de 0,46% aos 1.904.

Europa: o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 0,57% aos 444.44 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou estável aos 7.018; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em alta de 0,44% aos 15.437; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 0,68% aos 6.386; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta de 1,10% aos 24.975; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 0,87% aos 9.204; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,16% a 5.271.

Estados Unidos: o Dow Jones subiu 0,36% aos 34.207. O S&P 500 ficou estável aos 4.155. O Nasdaq ficou em queda de 0,48% aos 13.470.

Brasil: o Ibovespa ficou em queda de 0,09% aos 122.592 pontos. Na semana, o índice ficou com valorização de 0,58%. O volume financeiro ficou em R$32,25 bilhões.

Moedas: o dólar comercial subiu 1,44% aos R$5,353 para a venda. Na semana, o dólar subiu 1,55%. O turismo subiu 1,29% ficando em R$5,503 para a venda.

O euro subiu 1,12% aos R$6,524 para a venda. A libra esterlina subiu 1,25% aos R$7,575 para a venda. O peso argentino subiu 1,49% aos R$0,057 para a venda.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, subiu 0,21% a 90,00 pontos.

O euro caiu 0,39% a US$ 1.21281 e a libra caiu 0,27% a US$1.4151.

O preço do ouro ficou estável a US$ 1.881,50 a onça.

O Bitcoin caiu 10,59% aos US$ 36,015,78.

Commodities
O petróleo referência Brent ficou em alta de 3,13% a US$63,88 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 0,44% aos US$66,73 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no Porto de Qingdao caiu 5,25% aos US$ 200,72 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese

 

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?