Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Mercados voltando para o Azul

Data de criação:

access_time 05/05/2021 - 20:13

Data de atualização:

access_time 05/05/2021 - 20:13
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os investidores dos principais mercados acionários voltaram para as compras nesta quarta-feira (05/05), com os indicadores econômicos e resultados financeiros das grandes empresas. O progresso no processo de vacinação contra a Covid-19 também segue no foco central dos negociadores.

Na bolsa de Nova York, os índices ficaram com ganhos moderados. Os números do setor de trabalho e as declarações de membros do Federal Reserve ficaram entre os destaques do dia. Sobre a pandemia, o governo Biden disse que apoiava a renúncia às proteções de propriedade intelectual para vacinas contra a Covid-19 para “ajudar a acabar com a pandemia”. A decisão veio depois de questionado por legisladores e governos de diversos países se ajudaria as nações mais pobres no esforço de produzir versões genéricas das vacinas.

Na Europa, as bolsas fecharam com ganhos robustos. Os números da economia da Zona do Euro ficaram acima das projeções e as ações das mineradoras dispararam em Londres com os preços do cobre.

Na Ásia, com os mercados da China e do Japão voltando a operar amanhã, os índices das principais bolsas ficaram sem direção. Os futuros operam em campo positivo.

Por aqui, a bolsa de valores de São Paulo voltou para o positivo. O Ibovespa recuperou a queda forte de ontem, com o investidor doméstico atento para os acontecimentos em Brasília. O comportamento das demais bolsas no ambiente externo ficou no radar.

A CPI da Covid-19 ouviu hoje o depoimento do ex-ministro da Saúde, Nelson Teich.

Já Banco Central do Brasil elevou a taxa básica de juros, a Selic, para 3,50% ao ano, conforme precificada pelo mercado.

O processo de vacinação e o avanço da Covid-19 permanecem no radar.

O dólar comercial perdeu força sobre o real.

Coronavírus:

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, mostra que são 154.658.670 casos confirmados de contágio pelo coronavírus no mundo, com 3.233.784 mortes e 91.206.413 pessoas recuperadas

Nos Estados Unidos são 32.552.408 casos confirmados, com 579.225 mortes. A plataforma não fornece resultado geral de pessoas recuperadas.

Na Índia, que ocupa o 2º lugar no ranking da plataforma, os casos confirmados chegam a 20.665.148, com 226.188 mortos e com 16.951.731 pessoas recuperadas.

O Brasil voltou para o 3º lugar no ranking pela plataforma do Johns Hopkins. São 14.856.888 casos confirmados, sendo que o número de mortes está em 411.588. São 13.219.743 pessoas recuperadas.

O levantamento é de 19h59 desta quarta-feira (05/05) pelo horário de Brasília.

Mercados de Ações Globais

Ásia: o Hang Seng, bolsa de Hong Kong, fechou ficou em queda de 0,49% aos 28.417. O Sensex, bolsa de Mumbai, ficou em alta de 0,88% aos 48.677.  O XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,39% aos 7.095. O Kospi, bolsa de Seul, ficou em alta de 0,64% aos 3.147. O Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,53% aos 16.843. O FTSE Straits, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,80% aos 3.153. O índice regional MSCI Asia Pacific recuou 0,30%.

Europa: o índice Stoxx Europe 600 fechou em alta de 1,82% aos 441.55 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em alta de 1,68% aos 7.039; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em alta 2,12% aos 15.170; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 1,40% aos 6.339; o FTSE-MIB (Milão) ficou em alta aos 24.463; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 1,56% aos 8.967; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em 1,67% a 5.045.

Estados Unidos: o Dow Jones ficou em alta de 0,29% aos 34.230. O S&P ficou estável aos 4.167. O Nasdaq caiu 0,37% aos 13.582.

Brasil: o Ibovespa fechou em alta de 1,57% aos 119.564 pontos. O volume financeiro ficou em R$31,10 bilhões.

Moedas: o dólar comercial fechou em queda de 1,21% aos R$5,365 para a venda. O turismo caiu 1,31% aos R$5,520 para a venda.

O euro ficou em queda de 1,33% aos R$6,438 para a venda. A libra ficou em queda de 1,22% aos R$7,462 para a venda. O peso argentino ficou em queda de 1,27% aos R$0,057 para a venda.

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou estável a 91,28.

O euro ficou estável a US$ 1.2004 e a libra esterlina subiu 0,14% a US$1.3904.

O preço do ouro ficou em alta de 0,61% a US$ 1.786,80 a onça.

O Bitcoin caiu 3,97% aos US$54,670,47.

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,41% a US$68,68 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 0,58% aos US$65,31 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

*Por Ivonéte Dainese

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?