Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Restrições com avanço da Covid-19 pesam nos Mercados

Data de criação:

access_time 23/03/2021 - 19:48

Data de atualização:

access_time 23/03/2021 - 19:48
format_align_left 7 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O dia foi de mais apreensão no mercado financeiro global com a evolução da nova onda de coronavírus. Diversos países estão retornando com as medidas restritivas e, ao mesmo tempo, fazendo apelos ainda mais dramáticos para que as pessoas fiquem em casa. Neste contexto ficou a chanceler alemã Angela Merkel.

A partir de hoje, a Alemanha reforça as determinações para que os cidadãos não saiam de casa no feriado prolongado de Páscoa. Além disso, as barreiras sanitárias e o fechamento de serviços não essenciais já começaram e deverão seguir até dia 18 de abril. Ainda na região, a Áustria suspendeu as aberturas de bares, restaurantes e de outros serviços não essenciais.

Diante desse quadro, os investidores mantiveram, em grande parte, os negócios nesta terça-feira. Em Nova York, por exemplo, os índices de peso devolveram. Além das novas medidas restritivas de combate ao coronavírus na Europa, as diferenças com a China ficaram entre os destaques. O investidor também acompanhou atentamente as falas do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, e da secretária do Tesouro, Janet Yellen, ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes.

Na Europa, as ações ficaram divididas. Os investidores mantiveram as atenções nos novos casos de coronavírus. Em dia de agenda enfraquecida, o radar também ficou nas medidas de demais países e nas apresentações dos presidentes de bancos centrais.

Na Ásia, as principais bolsas da região fecharam sem direção única nesta terça-feira. O movimento de hoje pode ser destacado com dois pontos: o avanço da pandemia no mundo e os temores para com as decisões dos bancos centrais. Os Estados Unidos, a União Europeia, a Grã-Bretanha e o Canadá impuseram sanções às autoridades chinesas nesta segunda-feira (22/03) alegando abusos dos direitos humanos em Xinjiang, minoria uigur. Pequim respondeu medidas restritivas contra a UE.

Por aqui, o Ibovespa fechou em queda. O investidor manteve atenção nos novos casos de Covid-19, que seguiram ganhando força no Brasil. Ainda hoje, as falas de presidentes de vários bancos centrais também pesaram nos desempenhos dos mercados. O Banco Central do Brasil apresentou a ata da última reunião, quando a taxa Selic saiu dos 2% ao ano para 2,75% ao ano. Brasília segue no radar.

Por fim, o dólar comercial fechou em ligeira alta. O Banco Central do Brasil anunciou leilões.

Coronavírus:

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, mostra que são 123.984.240 casos confirmados de contágio pelo coronavírus no mundo, com 2.728.551 mortes e 70.364.804 pessoas recuperadas

Nos Estados Unidos são 29.911.118 casos confirmados, com 543.621 mortes. A plataforma não fornece resultado geral de pessoas recuperadas.

O Brasil, voltou a ocupar o segundo lugar no ranking pela plataforma do Johns Hopkins. São 12.047.526 casos confirmados, sendo que o número de mortes está em 295.425. São 10.661.810 pessoas recuperadas.

O levantamento é de 19h37 desta terça-feira (23/03) pelo horário de Brasília.

Veja o comportamento dos mercados

Ásia: o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, fechou em queda de 1,36% aos 28.497 pontos. O índice Xangai, China, ficou em queda de 0,93% aos 3.411 pontos. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,13% a 2.197 pontos e o ChiNext (ETF) ficou em queda de 1,14%. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,61% aos 28.995 pontos. O índice Topix caiu 0,94% aos 1.971 pontos. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,12% aos 3.131 pontos. O índice Sensex, bolsa de Mombai, ficou em alta de 0,56% aos 50.051 pontos. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 0,11% aos 6.745. O índice Kospi, bolsa de Seul, ficou em queda de 1,01% aos 3.004. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,07% aos 16.177 pontos. O índice regional MSCI Asia Pacific caiu -0,7%.

Europa: o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,20% aos 423.31 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em queda de 0,40% aos 6.699 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) ficou estável aos 14.662 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 0,39% aos 5.945 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 0,61% aos 24.113 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 0,56% aos 8.390 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em alta de 0,81% a 4.878 pontos.

Estados Unidos: o Dow Jones caiu 0,94% aos 32.423 pontos. O S&P ficou em queda de 0,76% aos 3.910 pontos. O Nasdaq caiu 1,12% aos 13.227 pontos.

Brasil: o Ibovespa ficou em queda de 1,49% aos 113.261 pontos. O volume financeiro ficou em R$26,89 bilhões.

Operaram com ganhos
IRB Brasil ON, alta de 5,91%; CVC Brasil ON, alta de 5,56%; Marfrig ON, alta de 3,98%; Hapvida ON, alta de 1,53%; e Intermédica ON, alta de 1,76%.

Operaram com perdas
Azul PN, queda de 6,80%; Sid. Nacional ON, queda de 4,29%; Gerdau PN, queda de 4,36%; BRF ON, queda de 4,17%; e PetroRio ON, queda de 3,89%.

Mais negociadas
Vale ON, queda de 2,31%; Petrobras PN, queda de 3,06%; Bradesco PN, queda de 1,09%; Magaz. Luiza ON, queda de 1,83%; e ItauUnibanco, queda de 2,54%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 04 de janeiro de 2021 a 30 de abril de 2021, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Vale ON (11,330%), Itauunibanco PN (6,868%), Petrobras PN (5,909%), B3 ON (5,417%) e Bradesco PN (5,281%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,51% a US$64,29 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 6,76% aos US$57,40 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no Porto de Qingdao ficou em queda de 2,71% a US$157,01 a tonelada seca.

Brasil: no interbancário, a moeda ficou estável aos R$5,516 para a venda. O turismo ficou estável aos R$5,677 para a venda.

O euro estava em queda de 0,77% aos R$6,534 para a venda. A libra caía 0,73% aos R$7,580 para a venda. O peso argentino ficou estável aos R$0,060 para a venda.

O Banco Central do Brasil vendeu o lote de 16 mil contratos para leilão de swap, rolagem em 03 de maio de 2021. Foram 2 mil contratos com vencimento para 01 de dezembro de 2021 e o restante para 01 de abril de 2022.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em alta de 0,71% a 92,39.

O euro caiu 0,70% a US$ 1.1848 e a libra esterlina caiu 0,82% a US$1.3745.

O preço do ouro caiu 0,68% a US$ 1.726,20 a onça.

O Bitcoin caiu 1,98% a US$55,088,74.

*Por Ivonéte Dainese com agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?