Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Um dia sem destino nos mercados de ações

Data de criação:

access_time 23/02/2021 - 20:28

Data de atualização:

access_time 23/02/2021 - 20:28
format_align_left 6 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os investidores dos mercados acionários ficaram divididos nos negócios desta terça-feira (23), depois dos resultados negativos do dia anterior. O foco permaneceu nos Estados Unidos, com o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, falando ao Senado americano e também na espera pela definição do pacote fiscal de US$1,9 trilhão. A agenda global estava enfraquecida.

A bolsa de Nova York fechou sem direção. As ações do setor de tecnologia ficaram de lado, o que acabou pesando mais uma vez no desempenho do Nasdaq. A agenda estava enfraquecida.

Na Europa, os índices também ficaram divididos. No Reino Unido, o primeiro ministro Boris Johnson reiterou hoje o plano de abertura no pós-pandemia. Os indicadores do país ficaram entre os pontos de cautela, com o setor de trabalho recuando ligeiramente.

Na Ásia, os índices fecharam sem rumo definido. O Banco do Povo da China – PBoC ficou no destaque, já que os índices de inflação, entre outros, estão em recuperação e despertando a cautela sobre uma possível mudança na política monetária. O Japão não operou com feriado. Os futuros operam divididos.

Por aqui, o Ibovespa corrigiu e as ações da Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil e dos principais bancos ficaram com ganhos. Demais papéis que subiram muito ontem voltaram em realização. A agenda doméstica estava enfraquecida e os balanços financeiros mereceram destaques das casas de análises.

O dólar comercial recuou com o cenário externo.

Coronavírus:

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, mostra que são 111.997.291 casos confirmados de contágio pelo coronavírus no mundo, com 2.481.668 mortes e 63.214.127 pessoas recuperadas

Nos Estados Unidos são 28.248.745 casos confirmados, com 502.227 mortes. A plataforma não fornece resultado geral de pessoas recuperadas.

O Brasil, ainda pela plataforma do Johns Hopkins, são 10.195.160 casos confirmados, sendo que o número de mortes está em 247.143. São 9.151.198 pessoas recuperadas.

O levantamento é de 20h10 desta terça-feira (23) pelo horário de Brasília.

Veja o comportamento dos mercados

Ásia: o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, fechou em alta de 1,03% aos 30.632 pontos. O índice Xangai, China, ficou em queda de 0,17% aos 3.636 pontos. O índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,85% a 2.396 pontos e o ChiNext (ETF) ficou em queda de 1,12%. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,33% aos 2.890. O índice Sensex, bolsa de Mumbai, Índia, ficou estável aos 49.751. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,86% aos 6.839. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 0,31% a 3.070 pontos. O índice Taiex, bolsa de Seul, ficou em alta de 0,20% aos 16.443 pontos.

Europa: o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,42% aos 411.32 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em alta de 0,21% aos 6.625 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em alta de 0,61% aos 13.864 pontos; o CAC 40 (Paris) ficou em alta de 0,22% aos 5.779 pontos; o FTSE-MIB (Milão) ficou em queda de 0,30% aos 22.939 pontos; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta 1,72% aos 8.252 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,94% a 4.729 pontos.

Estados Unidos: o Dow Jones ficou estável aos 31.537 pontos. O S&P ficou em alta de 0,13% aos 3.881 pontos. O Nasdaq caiu 0,50% aos 13.465 pontos.

Brasil: o Ibovespa ficou em alta de 2,27% aos 115.227 pontos. O giro financeiro ficou em R$48,20 bilhões.

Operaram com ganhos
Eletrobras ON, alta de 13,01%; Eletrobras PNB, alta de 10,81%; Petrobras PN, alta de 12,17%; Petrobras ON, alta de 8,96%; e Itaúsa PN, alta de 7,57%.

Operaram com perdas
Lojas Amer. PN, queda de 5,94%; B2W Digital ON, queda de 4,20%; Intermédica ON, queda de 4,08%; PetroRio ON, queda de 3,73%; e Grupo Natura ON, queda de 3,61%.

Mais negociadas
Vale ON, alta de 1,68%; Petrobras PN, alta de 12,17%; Petrobras ON, alta de 8,96%; Banco do Brasil ON, alta de 5,55%; e ItaúUnibanco PN, alta de 6,40%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 04 de janeiro de 2021 a 30 de abril de 2021, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice foram: Vale ON (11,330%), Itauunibanco PN (6,868%), Petrobras PN (5,909%), B3 ON (5,417%) e Bradesco PN (5,281%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em alta de 0,54% a U$64,83 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 0,42% aos US$61,96 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no Porto de Qingdao ficou em queda de 1,65% a US$173,05 a tonelada seca.

Brasil: o dólar ficou em queda de 0,21% aos R$5,442 para a venda. O turismo caiu 0,30% aos R$5,603 para a venda.

O euro ficou em queda de 0,38% aos R$6,609 para a venda. A libra ficou estável aos R$7,678 para a venda. O peso argentino ficou em queda de 0,26% aos R$0,060 para a venda.

O Banco Central do Brasil fez o tradicional leilão de swap com 16 mil contratos. Para o vencimento em 01 de junho, o lote contemplou 3 mil contratos e o restante, os 13 mil, com vencimento para 01 de outubro.

Cenário Externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em alta de 0,15% a 90,00.

O euro ficou em queda de 0,10% a US$ 1.2147 e a libra esterlina ficou em alta de 0,32% a US$1.4113.

O preço do ouro ficou estável a US$ 1.806,10 a onça.

O Bitcoin ficou em queda de 11,47% a US$48,565,17.

*Por Ivonéte Dainese com agências internacionais

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?