Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovespa gostou e marca o 3º recorde consecutivo aos 111.125 pontos

Data de criação:

access_time 06/12/2019 - 18:58

Data de atualização:

access_time 06/12/2019 - 19:58
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Conforme projeções dos analistas do mercado financeiro doméstico, a bolsa de valores de São Paulo já aponta para um fechamento de ano com chave de ouro e registando também um dos melhores desempenhos de sua história. Na semana, por exemplo, o índice principal ficou com valorização de 2,66%.

O otimismo entre os negociadores não parou por aí, com o Ibovespa sustentando alta de 0,46% na sessão desta sexta-feira aos 111.125 pontos. O volume financeiro ficou em R$17,93 bilhões.

Os pontos brilhantes de hoje foram os papéis das varejistas. Já os das financeiras entraram em realização com o recorde desta quinta-feira (05).

Operaram com ganhos
Via Varejo ON, alta de 7,30%; BTGP Banco UNT, alta de 5,14%; Lojas Amer.  PN, alta de 7,07%; GOL PN, alta de 4,98%; e YDUQS Part. ON, alta de 5,47%.

Operaram com perdas
Santander BR UNT, queda de 1,17%; Energias BR ON, queda de 1,14%; Bradesco PN, queda de 1,12%; Itausa PN, queda de 0,96%; e Itau Unibanco PN, queda de 1,81%.

Mais negociadas
Itau Unibanco PN, queda de 1,81%; Petrobras PN, alta de 1,00%; ViaVarejo ON, alta de 7,30%; e Vale ON, alta de 0,79%.

Análise Willian Teixeira – Messem Investimentos

O bom humor, que contagiou o investidor da bolsa de valores de São Paulo ao longo do ano, está sendo mantido nesta reta final de dezembro. Entre altos e baixos, o benchmark principal está dando sinais de fechamento em grande estilo.

Descolado dos demais no cenário externo, o Ibovespa vem marcando uma sequência de recordes nominais e, ao mesmo tempo, estabelecendo o patamar acima dos 100 mil pontos. “Realmente, depois de maio, o índice vem surpreendendo com o mercado já revisando os 115 mil pontos para o final de 2019. O que nós acompanhamos essa semana foram indicadores mais positivos, como o PIB, a Produção Industrial, entre outros, e a economia brasileira dando confiança ao investidor. Esse cenário foi possível também, em grande parte, pelas reformas que estão sendo implementadas no País. A maior delas foi a reforma da Previdência”, considerou.

Para Teixeira, o caminho para o avanço de mais reformas está aberto. “Além da Previdência, o governo deve seguir com mais medidas relevantes, que na minha opinião deveria começar pela Administrativa fortalecendo a competitividade. Nessa linha estamos vendo um governo comprometido, que poderá mudar a trajetória econômica do País, chamando a atenção de agências de risco e incentivando novamente grandes investimentos. Entretanto, pelo menos neste momento, o essencial para tornar ainda mais pungente esse cenário e para todos os países seria o acordo comercial entre os Estados Unidos e a China”, explicou Teixeira.

Para a reta final do ano, se o ambiente doméstico permanecer neste ritmo, Teixeira avalia os 115 mil pontos do Ibovespa. “ Tem espaço, o estrangeiro está confortável para voltar com os negócios no Brasil. A última temporada de balanços foi interessante para as empresas, as propostas de privatizações agradam, o cenário de renda variável se firmou com a defasagem da renda fixa e são ótimos negócios para o momento atual. O clima em bolsa é favorável para um índice acima dos 130 mil pontos, ou seja, até mesmo para os 140 mil em 12 meses”, finalizou o head de renda variável da Messem Investimentos, Willian Teixeira.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 02 de setembro de 2019 a 03 de janeiro de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (9,194%), Vale ON (8,204%), Bradesco PN (7,300%), Petrobras PN (6,597%) e B3 ON (5,175%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em alta de 1,23% a US$68,36 o barril negociado na bolsa de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 1,16% aos US$59,11 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 0,46% aos US$89,06 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?