Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovespa recua 1,3% na semana e fica acima dos 101 mil na sessão

Data de criação:

access_time 14/08/2020 - 18:38

Data de atualização:

access_time 14/08/2020 - 18:38
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O Ibovespa fechou a semana em queda de 1,38% e contraindo novamente em 12,35% no ano de 2020. Essa queda foi atribuída ao clima político interno, depois que o Ministério da Economia sofreu duas baixas.

A semana foi marcada também pelos indicadores econômicos, pela temporada de resultados financeiros, exercício de opções sobre o Ibovespa e também com os arranjos entre as empresas nas fusões, aquisições e solicitações para os desembarques no Mercado de Capitais. Esses fatores pesaram positivamente e mantiveram a retomada do índice para o azul.

Ao final, o Ibovespa ficou em alta de 0,89% aos 101.353 pontos. O volume financeiro ficou em R$28,83 bilhões.

Análise Rodrigo Moliterno – Veedha Investimentos

O mercado financeiro doméstico, que seguia atento aos acontecimentos externos, mudou o radar ao longo dessa semana com o front político pesando. A instabilidade no Ministério da Economia, depois que dois secretários pediram para sair, elevou ainda mais a cautela. Porém, a volta para as compras nesta sessão ocorreu com uma declaração do presidente Jair Bolsonaro.

“O movimento de hoje mudou com um Twitter do Bolsonaro reafirmando o compromisso de manter o teto de gastos e desmentindo ruídos de um ‘possível’ gasto em mais de R$5 bilhões para obras de infraestrutura. Com isso, a bolsa abriu em realização, mas logo depois virou e seguiu com a declaração do presidente. Mas o investidor segue cauteloso principalmente quando o assunto é teto de gastos. É sempre bom lembrar que foi o gasto acima da meta que derrubou a ex-presidente, Dilma Rousseff. Ainda na semana, a instabilidade também foi promovida com as saídas de dois secretários do Ministério da Economia. Contudo, a nova postura do presidente de sair de Brasília, percorrer o País e flertar com a população beneficiada pelo auxílio emergencial foi interessante, mas ainda desperta dúvidas de até quando essa relação vai durar”, considerou.

A semana também foi marcada por acontecimentos externos e agenda econômica carregada. “Na semana, o mercado interno também monitorou os acontecimentos externos. Entretanto, o que se viu foram indicadores melhores que as estimativas, como a produção industrial da China, que veio em alta de 4,8%, pouco abaixo do consenso de 5,1%, mas que na verdade não foi ruim. Os números do setor de trabalho dos Estados Unidos também apresentaram reações positivas, com a queda em 228 mil [963 mil] nos pedidos de auxílio-desemprego. Com tudo isso, o mercado global está com liquidez e nós estamos com uma taxa de juros em 2%, o que sugere ao investidor a busca por empresas atrativas e deixando um pouco os papéis de primeira linha. No auge da pandemia, mais precisamente no segundo trimestre, muitas empresas deram show de criatividade e ganharam mais peso ainda. Neste contexto, podemos citar as varejistas, Magazine Luiza, Via Varejo, e também as produtoras de proteínas, JBS, Marfrig, BRF, entre outras. Diante disso, resolvidas as questões fiscais, acredito num bom desempenho da bolsa neste segundo semestre, resta ver a temporada de resultados”, destacou o head de Renda Variável da Veedha Investimentos, Rodrigo Moliterno.

Em vigência desde 2016, o Novo Regime Fiscal limita o crescimento das despesas primárias do governo à inflação, ou seja, o total de despesas, em termos reais, é congelado. Esse é o teto de gastos, que não impede o crescimento de despesas individuais eventualmente acima da inflação, exigindo que o total de despesas não ultrapasse o devido teto medido pelo IPCA.

Por fim, o que ajudou a suavizar os negócios nesta sessão foi o  ministro da Economia, Paulo Guedes, indicando Diogo Mac Cord para a Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados. Já Caio Andrada ficará com a secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital. Os secretários demissionários são Salim Mattar e Paulo Uebel.

Operaram com ganhos
Cia Hering ON, alta de 10,27%; Grupo Natura ON, alta de 8,18%; Suzano ON, alta de 5,92%; BR Mall Par. ON, alta de 4,91%; e JBS ON, alta de 5,19%.

Operaram com perdas
B2W Digital ON, queda de 6,89%; Lojas Amer. PN, queda de 3,00%; BTGP Banco UNT, queda de 3,35%; Via Varejo ON, queda de 0,96%; e BRF ON, queda de 1,10%.

Mais negociadas
Vale ON, alta de 1,66%; JBS ON, alta de 5,19%; Suzano ON, alta de 5,92%; Via Varejo ON, queda de 0,96%; Grupo Natura ON, alta de 8,18%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 04 de maio de 2020 a 04 de setembro de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Vale ON (10,154%), Itauunibanco PN (7,414%), Bradesco PN (5,611%), Petrobras PN (5,610%) e B3 ON (5,405%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em alta de 0,33% aos US$44,95 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou estável e com o barril negociado aos US$42,23 na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 0,87% a US$122,44 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?