Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovespa recua 8,3% na semana e volta para o azul em 1,15% na sessão com Fed

Data de criação:

access_time 28/02/2020 - 19:09

Data de atualização:

access_time 28/02/2020 - 19:09
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Depois de uma semana marcada pela correção, os investidores do mercado acionário doméstico acompanharam os desempenhos dos demais com o avanço do coronavírus, em semana mais curta por conta do feriado de Carnaval.

A propagação da doença ao redor do mundo promoveu forte aversão ao risco nos últimos três dias, o que acabou puxando o índice Bovespa para uma queda semanal de 8,36% e também para outros 8,42% de perdas no mês de fevereiro. No ano, a desvalorização do índice é de 9,92%.

O avanço da doença COVID-19 ficou no radar do mercado financeiro global. O que se viu foi uma disseminação do vírus para fora da China, o que acabou promovendo as maiores liquidações nas bolsas de ações desde o estouro da crise econômica global em 2008.

Para os analistas, todos os fatos registrados nestes dois meses de 2020 ficaram de lado, com as atenções dos investidores para os números de pessoas infectadas, de vítimas fatais e do impacto econômico que o avanço do vírus já está promovendo.  “Não tem como avaliar o desempenho do mercado financeiro sem citar o coronavírus como ponto principal. As bolsas da Ásia, Europa e Estados Unidos estão fechando o mês de fevereiro com resultados negativos e o índice VIX, que mede o nível de estresse das bolsas americanas, atingindo o maior patamar desde a sua criação em 1990”, considerou analista da Toro Investimentos, Lucas Carvalho.

Na semana, mesmo quando foram divulgados indicadores relevantes das principais economias, como o PIB e a inflação dos Estados Unidos, a PNAD Contínua do Brasil e a Produção Industrial, Vendas no Varejo e Balança Comercial do Japão, o investidor seguiu mantendo a aversão ao risco. “Diante do efeito manada, o ideal é não vender. As barganhas estão na mesa e é importante verificar se a queda não foi exagerada, como já ocorreu em outros momentos de estresse. A orientação é não vender, manter a posição comprada e aguardar os próximos dias”, completou Carvalho.

No meio da tarde, o Federal Reserve sinalizou que poderá reduzir as taxas de juros. Com isso, Wall Street suavizou as perdas e a bolsa de valores de São Paulo acompanhou.

Jerome Powell prometeu: “Os fundamentos da economia dos Estados Unidos continuam fortes. No entanto, o coronavírus apresenta riscos crescentes para a atividade econômica. O Fed está monitorando de perto os desenvolvimentos e suas implicações para as perspectivas econômicas. Usaremos nossas ferramentas e agiremos conforme apropriado para apoiar a economia”, destacou o big boss do banco central americano.

Com o posicionamento do Fed, o Ibovespa voltou para o campo positivo. Ao final, o índice engatou alta de 1,15% aos 104.171 pontos. O volume financeiro ficou em R$40,03 bilhões.

Operaram com ganhos
MRV ON, alta de 7,26%; RaiaDrogasil ON, alta de 5,86%; Cielo ON, alta de 5,55%; Carrefour BR ON, alta de 5,51%; e Lojas Renner ON, queda de 4,41%.

Operaram com perdas
TOTVS ON, queda de 3,57%; GOL PN, queda de 3,03%; IRBBrasil RE ON, queda de 2,58%; ViaVarejo ON, queda de 1,92%; e WEG ON, queda de 1,86%.

Mais negociadas
Petrobras PN, alta de 0,16%; Vale ON, queda de 0,36%; ItauUnibanco PN, alta de 2,99%; B3 ON, alta de 4,26%; e Brasil ON, queda de 2,34%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em alta de 0,68% a US$50,01 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 3,91% aos US$45,25 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro ficou em queda de 3,31% a US$1.587,70 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 2, 05% aos US$83,96 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?