Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ibovespa reduz perdas e fecha perto dos 97 mil pontos com cenário externo

Data de criação:

access_time 21/09/2020 - 18:15

Data de atualização:

access_time 21/09/2020 - 18:15
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A semana começou com o Ibovespa amargando perdas na carona externa. A forte aversão ao risco se deu com dois fatores. Primeiro foi o avanço da pandemia na Europa, bem como em outros países, com os governos já sinalizando novas medidas restritivas de isolamento social. O segundo se deu com as ações dos principais bancos europeus e americanos, depois que uma pesquisa apontou negócios ilícitos e a lavagem de dinheiro.

O relatório, liderado pelo BuzzFeed News, incluindo outros meios de comunicação ao redor do mundo, foi baseado no que é chamado de relatórios de atividades suspeitas apresentados pelos bancos ao Tesouro dos Estados Unidos, que foram reunidos para que o Congresso analisasse o relatório de 2016, isso quando da campanha do presidente Donald Trump. Por lei, os bancos não têm permissão para comentar sobre os SARs que registram. A pesquisa compreende o período de 1999 a 2017.

Nesta sessão, os preços das commodities despencaram. O minério de ferro caiu mais de 4% na China. Já os preços do petróleo subiram em Londres e caíram no Texas.

As ações dos bancos brasileiros também recuaram, bem como das companhias aéreas, que estão entre as mais impactadas pela pandemia de coronavírus.

Ainda ficou no radar o setor corporativo, com muitas empresas se preparando para a estreia na B3. O dia também foi de vencimento de opções sobre ações.

Ao final, o Ibovespa recuou 1,32% aos 96.990 pontos. O volume financeiro ficou R$37,26 bilhões.

“O mercado acompanhou os demais externos, com o coronavírus novamente ganhando força e com muitos países sinalizando novos períodos de isolamento. Outros pontos também pressionaram os índices, como os bancos e o relatório internacional apresentando irregularidades. Mais, o clima político esquenta nos Estados Unidos com o tempo muito curto para campanha pela interferência da pandemia. Segue ainda sem acerto o pacote de estímulos e com a Suprema Corte dividida. Diante desses fatores, fica impossível traçar um viés com a semana começando no vermelho. Por aqui, os dados econômicos agendados não deverão trazer grandes novidades, como a ata do Copom. Já o setor corporativo, com muitos IPOs programados e também com as empresas realizando fusões e aquisições, é importante para a bolsa, mas não dá para ajudar a descolar muito do cenário externo. É fazer negócio um dia de cada vez”, pontuou o analista da Toro Investimentos, Daniel Herrera.

Operaram com ganhos
B2W Digital ON, alta de 4,01%; Sul America UNT, alta de 2,86%; WEG ON, alta de 2,27%; Magaz. Luiza ON, alta de 1,77%; e Energias BR ON, alta de 1,00%.

Operaram com perdas
GOL PN, queda de 8,46%; AZUL PN, queda de 7,80%; Embraer ON, queda de 4,79%; Ecorodovias ON, queda de 4,54%.

Mais negociadas
Vale ON, queda de 2,69%; Petrobras PN, queda de 3,46%; Magaz. Luiza ON, alta de 1,77%; Bradesco PN, queda de 1,49%; e Via Varejo ON, alta de 0,11%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 08 de setembro de 2020 a 30 de dezembro de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Vale ON (10,460%), Itauunibanco PN (6,379%), Bradesco PN (5,030%), Petrobras PN (5,623%) e B3 ON (5,329%).

Commodities

O petróleo referência Brent operou em alta de 0,82% a US$41,78 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em queda de 3,53% aos US$39,66 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro ficou em queda de 2,25% a US$1.917,90 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 4,07% a US$119,82 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios de casas de análises e emissoras de TV internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?