Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

INDICADORES: Resumo Econômico para esta terça-feira

Data de criação:

access_time 27/10/2020 - 14:54

Data de atualização:

access_time 27/10/2020 - 14:54
format_align_left 9 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o resumo da agenda econômica desta terça-feira (27/10). O destaque fica com os índices de construção do Brasil.

ÁSIA

Na região não foram apresentados indicadores.

EUROPA

Na Europa, a taxa de crescimento anual do agregado monetário largo M3 aumentou para 10,4% em setembro de 2020 de 9,5% em agosto A taxa de crescimento anual do agregado monetário mais estreito M1, incluindo moeda em circulação e depósitos overnight, aumentou para 13,8% em setembro de 13,2% em agosto.

A taxa de crescimento anual dos empréstimos corrigidos às famílias situou-se em 3,1% em setembro, face a 3,0% em agosto. A taxa de crescimento homóloga dos empréstimos corrigidos a sociedades não financeiras situou-se em 7.1% em setembro, inalterado em relação ao mês anterior e aumentou para 10,4% em setembro de 2020 de 9,5% em agosto. Os dados são do Banco Central Europeu.

Na Espanha, os resultados do terceiro trimestre de 2020, a pandemia continua refletindo na no mercado de trabalho. A ocupação aumentou em 569.600 pessoas neste trimestre, em relação ao anterior (3,06%) e situou-se em 19.176,9 mil. Em termos dessazonalizados, a variação trimestral é de 2,98%. O emprego diminuiu em 697.500 pessoas nos últimos 12 meses (3,51%).

O emprego aumentou neste trimestre em 111.200 pessoas no setor público e 458.500 no setor privado. Nos últimos 12 meses, o emprego diminuiu em 805,9 mil pessoas no setor privado, enquanto aumentou em 108,5 mil no setor público.

Levando em consideração os afetados por um Arquivo de Regulação do Trabalho Temporário (ERTE) com suspensão do trabalho, de acordo com a metodologia do Instituto de Estatística da União Europeia (Eurostat) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), entre os ocupados, 10,30% (1.975,1 mil) trabalhavam em casa mais da metade dos dias, ante 16,20% observados no segundo trimestre.

Uma visão mais detalhada das transições observadas entre emprego, desemprego e inatividade é obtida com as Estatísticas de Fluxo, que refletem que 928,7 mil inativos passaram a trabalhar e 1.320,5 mil ao desemprego. A saída da ocupação para a inatividade foi de 659.300 e do desemprego para a inatividade em 676.100. Como resultado, há uma forte recuperação da quantidade de ativos neste trimestre.

No Reino Unido, as vendas no varejo caíram no ano até outubro, sugerindo uma perda de ímpeto a partir de setembro, quando houve aumento no ritmo em 18 meses, de acordo com a última Pesquisa Mensal de Negócios Distribuídos da CBI. A pesquisa com 116 empresas, das quais 54 eram varejistas, descobriu que as condições no setor de varejo eram mistas. Os volumes de alimentos ficaram estáveis, após cinco meses de forte crescimento.

CANADÁ

No Canadá não foram apresentados indicadores.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, os novos pedidos de bens de capital fabricados aumentaram mais do que o esperado em setembro, encerrando um quarto do crescimento potencialmente recorde nos gastos empresariais e na economia em geral, graças ao estímulo fiscal que visa amenizar o golpe da pandemia Covid-19.

Os pedidos de bens de capital não relacionados à defesa, excluindo aeronaves, um indicador observado de perto para os planos de gastos empresariais, aumentaram 1,0% no mês passado, disse o Departamento de Comércio na terça-feira. Os dados de agosto foram revisados em alta para mostrar que os chamados pedidos de bens de capital básicos aumentaram 2,1% em vez de 1,9% conforme estimado anteriormente.

Nos Estados Unidos, os preços das casas aumentaram em todo o país em agosto, 1,5% em relação ao mês anterior, de acordo com o último Índice de Preços de Casas da Federal Housing Finance Agency (FHFA HPI). Os preços das casas aumentaram 8,0% de agosto de 2019 a agosto de 2020.

A FHFA também revisou sua mudança de preço de 1,0% relatada anteriormente em julho de 2020 para 1,1%. Para as nove divisões do censo, as mudanças mensais dos preços das residências com ajuste sazonal de julho de 2020 a agosto de 2020 variaram de +0,9% na divisão Centro-Sul Leste a +1,9% na divisão Centro-Sul Oeste. As mudanças de 12 meses variaram de +7,2% na divisão Centro-Norte Oeste a +9,7% na divisão Montanha.

Nos Estados Unidos, o índice S&P CoreLogic de preços de casas, que cobre todas as nove divisões do censo, relatou um ganho anual de 5,7% em agosto, ante 4,8% no mês anterior. O aumento anual do Composto por 10 Cidades situou-se em 4,7%, ante 3,5% no mês anterior. O 20-City Composite registrou um ganho de 5,2% ano-a-ano, ante 4,1% no mês anterior.

Phoenix, Seattle e San Diego relataram os maiores ganhos ano a ano entre as 19 cidades (excluindo Detroit) em agosto. Phoenix liderou o caminho com um aumento de preços de 9,9% ano a ano, seguido por Seattle com um aumento de 8,5% e San Diego com um aumento de 7,6%. Todas as 19 cidades relataram aumentos de preços mais altos no ano encerrado em agosto de 2020 em relação ao ano encerrado em julho de 2020.

Nos Estados Unidos, a atividade manufatureira do Quinto Distrito se fortaleceu em outubro, de acordo com a pesquisa mais recente do Fed de Richmond. O índice composto subiu de 21 em setembro para 29 em outubro, sua maior leitura já registrada.

O resultado de outubro é impulsionado por aumentos nos índices de remessas, em 30 ante os 13 de setembro e 22 de agosto, novos pedidos, em 32 ante os 27 de setembro e os 15 de agosto, enquanto o terceiro componente – o índice de emprego – permaneceu inalterado em 23 em outubro e acima de 17 do mês de agosto.

As empresas relataram melhorias nas condições de negócios e crescentes acúmulos de pedidos em geral. Fabricantes estavam otimistas de que as condições continuariam melhorando nos próximos meses.

Nos Estados Unidos, o Conference Board Consumer Confidence Index diminuiu ligeiramente em outubro, depois de um aumento acentuado em setembro. O Índice agora está em 100,9, abaixo dos 101,3 em setembro. O Índice da Situação Atual – com base na avaliação dos consumidores sobre as condições atuais do mercado de trabalho e negócios – aumentou de 98,9 para 104,6. No entanto, o Índice de Expectativas – baseado nas perspectivas de curto prazo dos consumidores para renda, negócios e condições do mercado de trabalho – caiu de 102,9 em setembro para 98,4 neste mês.

BRASIL

No Brasil, o Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) subiu 1,69% em outubro, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o índice registrou taxa de 1,15%. Com este resultado, o índice acumula alta de 6,34% no ano e de 6,64% em 12 meses. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 2,40% em setembro para 3,37% em outubro. O índice referente à Mão de Obra variou de 0,06% em setembro para 0,19% em outubro.

No Brasil, o Índice de Confiança da Construção (ICST), da Fundação Getulio Vargas, avançou 3,7 pontos em outubro atingindo 95,2 pontos, o maior valor desde março de 2014 (96,3 pontos). Em médias móveis trimestrais, o ICST avançou pelo quarto mês consecutivo, com variação de 3,8 pontos em relação ao mês anterior.

Neste mês, o resultado positivo do ICST foi influenciado principalmente pela melhora da satisfação dos empresários em relação à situação corrente. O Índice de Situação Atual (ISA-CST) cresceu 5,1 pontos, para 91,5 pontos, o maior valor desde setembro de 2014 (92,3 pontos). O indicador de carteira de contratos foi o que mais contribuiu para o resultado positivo do ISA, ao avançar 5,7 pontos para 90,2 pontos, enquanto o indicador de situação atual dos negócios subiu 4,5 pontos, para 92,9 pontos. Ambos os indicadores não ultrapassavam o nível de 90 pontos desde dezembro de 2014.

As expectativas também continuaram se recuperando e se aproximam do nível de neutralidade (100 pontos). O Índice de Expectativas (IE-CST) subiu 2,3 pontos, para 99,1 pontos, valor muito próximo ao de fevereiro, período pré-pandemia (99,0 pontos). Os indicadores de demanda prevista e tendência dos negócios avançaram 2,3 pontos e 2,2 pontos, para 99,1 pontos e 99,0 pontos respectivamente.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) aumentou 2,4 pontos percentuais (p.p.), para 74,5%. O resultado positivo é combinação da melhora do nível de atividade de Máquinas e Equipamentos, com aumento de 2,6 p.p., para 66,1% e de Mão de Obra, com crescimento de 2,3 p.p., para 75,9%.

*Tradução ID de relatórios oficiais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?