Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

INDICADORES: Resumo Econômico para quinta-feira

Data de criação:

access_time 09/01/2020 - 11:49

Data de atualização:

access_time 09/01/2020 - 11:49
format_align_left 7 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o resumo da agenda econômica desta quinta-feira (09/01/2020) e que está direcionando o mercado global. O destaque fica para a inflação da China.

ÁSIA

Na China, a inflação do consumidor estabilizou em dezembro, depois de atingir o maior patamar desde 2012 no mês anterior, enquanto a pressão continua à frente se os preços do petróleo avançando. O índice de preços ao consumidor subiu 4,5% no mês passado, em relação ao ano anterior, depois de um ganho igual em novembro. Os dados são do Departamento Nacional de Estatísticas.

A previsão mediana foi de um aumento de 4,7%. O índice de preços ao produtor caiu 0,5% no ano, mais lento que a queda de 1,4% em novembro. A inflação do consumidor para o ano inteiro, em 2019, ficou em 2,9%, em linha com a meta estabelecida pelo governo de 3%.

Os preços da carne de porco, um elemento-chave na cesta de IPC do país, subiram 97% no mês. Os preços de outros tipos de alimentos também aumentaram, com vegetais subindo a 10,8% e ovos a 6,2%.

EUROPA

Na Europa, a taxa de desemprego, ajustada sazonalmente, na Zona do Euro (EA19) foi de 7,5% em novembro de 2019, estável em comparação com outubro de 2019 e abaixo dos 7,9% em novembro de 2018. Essa taxa é a menor registrada EA19 desde julho de 2008. A taxa de desemprego na UE28 foi de 6,3% em novembro de 2019, estável em comparação com outubro de 2019, e abaixo dos 6,6% em novembro de 2018. Esta continua sendo a menor taxa registrada na UE28 desde o início da série mensal de desemprego da UE em janeiro de 2000. Esses números são publicados pelo Eurostat, o serviço de estatística da União Europeia

Na Alemanha, em novembro de 2019, a produção industrial cresceu 1,1% em relação ao mês anterior, com base em preços, com ajuste sazonal e calendário, de acordo com dados provisórios do Departamento Federal de Estatística (Destatis). Em outubro de 2019, o valor corrigido mostra uma queda de 1,0% (-1,7% primário) em relação a setembro de 2019.

Em novembro de 2019, a produção na indústria, excluindo energia e construção, aumentou 1,0%. Na indústria, a produção de bens de capital aumentou 2,4% e a produção de bens de consumo 0,5%. A produção de bens intermediários apresentou queda de 0,5%. Fora da indústria, a produção de energia diminuiu 0,8% em novembro de 2019 e a produção em construção aumentou 2,6%.

Na Alemanha, a exportação de mercadorias ficou no valor de € 112,9 bilhões e importou mercadorias no valor de € 94,6 bilhões em novembro de 2019. Com base em dados provisórios, o Serviço Federal de Estatística (Destatis) também informa que as exportações alemãs caíram 2,9% e as importações 1,6% em novembro de 2019 no mesmo mês do ano anterior. Em comparação com outubro de 2019, as exportações caíram 2,3% e as importações 0,5% depois do calendário e o ajuste sazonal. A balança comercial externa apresentou superávit de € 18,3 bilhões em novembro de 2019. Em novembro de 2018, o superávit da balança comercial externa atingiu € 20,2 bilhões.

Na Itália, em novembro de 2019, a estimativa de pessoas ocupadas aumentou 0,2%, (41 mil), a taxa de emprego subiu 59,4% (alta de 0,1 pontos percentuais). O crescimento do emprego foi resultado de um aumento entre as mulheres e de uma estabilidade substancial entre os homens.

Observa-se um aumento entre idades de 25 a 34 anos (34 mil) e com mais de 50 (21 mil), enquanto uma diminuição foi observada nas pessoas de 35 a 49 anos e abaixo de 25 anos. O número de pessoas desempregadas cresceu 0,5%, (12 mil no último mês), o aumento foi resultado de um crescimento entre os homens e uma ligeira queda nas mulheres, envolvendo pessoas de 15 a 34 anos. Os dados são do Istat.

CANADÁ

No Canadá, a tendência para o início de habitação foi de 212.160 unidades em dezembro de 2019, em comparação com 219.921 unidades em novembro de 2019, de acordo com a Canada Mortgage and Housing Corporation (CMHC). Essa medida de tendência é uma média móvel de seis meses das taxas anuais ajustadas sazonalmente (SAAR) de início de habitação.

O SAAR mensal independente de início de habitação para todas as áreas do Canadá foi de 197.329 unidades em dezembro, uma queda de 3% em comparação às 204.320 unidades de novembro. O SAAR para as urbanas diminuiu 4% em dezembro para 185.934 unidades. O número de urbanas múltiplas diminuiu 5%, para 138.049 unidades em dezembro, enquanto as urbanas isoladas aumentaram 1%, para 47.885 unidades. As rurais foram estimadas a uma taxa anual ajustada sazonalmente de 11.395 unidades.

No Canadá, o valor total das licenças de construção emitidas pelos municípios canadenses diminuiu 2,4%, para US $ 8,1 bilhões em novembro. Foram registradas quedas em seis províncias, com o maior recuo em Ontário (-5,7% para US $ 3,2 bilhões). Quebec (+ 10,3% para US $ 1,9 bilhão) compensou parte desse declínio. Os dados são do Departamento de Estatísticas do Governo Canadense.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, os pedidos iniciais de auxílio desemprego para a semana encerrada em 04 de janeiro, com ajuste sazonal, ficou em 214 mil, queda de 9 mil em relação ao nível revisado da semana anterior. O nível da semana anterior foi revisado em 1.000 de 222 mil para 223 mil. A média móvel de quatro semanas foi de 224 mil, queda de 9.500 em relação à média revisada da semana anterior. A taxa de desemprego medidas pelos pedidos, com ajuste sazonal, ficou em 1,2% na semana encerrada em 28 de dezembro, inalterada em relação à taxa não revisada da semana anterior.

Nos Estados Unidos estão previstas apresentações de membros do Federal Reserve.

BRASIL

No Brasil, o IBGE mostrou nesta quinta-feira o resultado da Produção Industrial referente ao mês de novembro de 2019, com ajuste sazonal, em queda de 1,2% em relação a outubro. Houve redução na produção das quatro grandes categorias econômicas e em 16 das 26 atividades pesquisadas nessa comparação. A queda de 1,2% elimina parte da expansão de 2,2% acumulada no período agosto-outubro de 2019. Com esses resultados, o setor industrial se encontra 17,1% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011.

No confronto com novembro de 2018, o total da indústria recuou 1,7%, interrompendo dois meses de resultados positivos consecutivos: setembro (1,1%) e outubro (1,1%). Assim, o setor industrial acumula queda de 1,1% no ano.

O indicador acumulado em 12 meses recuou 1,3% em novembro de 2019, repetindo os resultados de setembro e de outubro.

Tradução ID com relatórios oficiais

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?