Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Mercados acionários, moedas e agendas neste momento

Data de criação:

access_time 26/06/2020 - 12:44

Data de atualização:

access_time 26/06/2020 - 12:44
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta sexta-feira (26/06).

ÁSIA – Ao final, o índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 1,13% aos 22.512. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 0,55% aos 2.604. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,05% a 2.134. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 0,94% os 35.171. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 1,49% aos 5.904%.

As bolsas ações asiáticas fecharam divididas nesta sexta-feira. Os investidores seguiram Wall Street e também analisaram a pesquisa de estresse dos bancos, que foi apresentada pelo Federal Reserve depois do fechamento dos mercados. A agenda local estava vazia e a China permaneceu em feriado.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 caía 0,21% aos 358.96 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em alta de 0,42% aos 6.172 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) seguia em queda de 0,66% a 12.097 pontos; o CAC 40 (Paris) seguia em alta de 0,06% a 4.921 pontos; o FTSE-MIB (Milão) seguia em queda de 0,22% aos 19.191 pontos; o Ibex 35 (Madri) seguia em queda de 0,91% a 7.204 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em queda de 0,11% a 4.369 pontos.

As ações europeias seguiam sem direção nesta sexta-feira na reta final das negociações. O foco segue no coronavírus, em dia de agenda esvaziada e com apenas a Alemanha apresentando indicadores. Ainda no radar ficou a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, afirmando que o pior da crise de coronavírus pode ter acabado para o mundo, mas o caminho a seguir não seria fácil. “Essa recuperação será incompleta e pode ser transformadora”, considerou em entrevista on-line nesta sexta-feira, segundo a CNBC. As moedas operam sem direção.

ESTADOS UNIDOS: Dow Jones opera em queda de 1,99% aos 25.240 pontos. O S&P opera em queda de 1,65% aos 3.032 pontos. O Nasdaq opera em queda de 1,66% aos 9.849 pontos.

Os índices de peso ainda estão operando no vermelho. Os investidores estão digerindo as medidas do Federal Reserve na pesquisa de estresse dos bancos americanos e, ao mesmo tempo, acompanham os dados do coronavírus, em especial no Texas. O governador do Texas, Greg Abbott, implementou restrições às reuniões sociais no estado de Lonestar e ordenou o fechamento de todos os bares a partir desta sexta-feira, revertendo também algumas medidas de reabertura. O Texas registrou 6.426 novos casos de coronavírus no dia anterior, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. O dia é de agenda praticamente vazia, com o índice DXY de dólar operando em alta moderada aos 97,59.

BRASIL: Ibovespa opera em queda de 1,27% aos 94.720 pontos. O dólar comercial opera em alta de 3,02% aos R$5,488 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo acompanha os demais mercados. O clima político está mais calmo, em dia de agenda vazia. O dólar comercial ganha força nesta sexta-feira, com o mercado testanto o Banco Central do Brasil, que realizou leilão de swap nesta manhã. O dia é neutro e com apenas o setor corporativo no destaque.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em queda de 1,56% aos US$40,48 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI seguia em queda de 1,96% aos US$37,96 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em alta de 0,19% a US$1.774,70 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios de casas de análises e agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?