Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Mercados acionários, moedas e agendas neste momento

Data de criação:

access_time 06/08/2020 - 11:55

Data de atualização:

access_time 06/08/2020 - 11:55
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta quinta-feira (06/08).

ÁSIA –Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 0,69% aos 24.930. O índice Xangai, China, ficou em alta de 0,26% aos 3.386. O índice Shenzhen Composite ficou em queda de 0,62% a 2.304. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,43% aos 22.418. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 1,04% aos 2.559. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 1,33% aos 2.342. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 0,96% aos 38.025. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,87% aos 12.913. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,68% aos 6.042.

As bolsas de valores da Ásia fecharam sem direção, com grande parte dos índices em campo positivo. Ficou entre os destaques a discussão sobre o pacote nos Estados Unidos. Porém, nova onda da COVID-19 segue preocupando as autoridades da região.  Em Hong Kong, as autoridades relataram 85 casos confirmados recentemente, quase todos não rastreáveis ​​ou transmitidos localmente. No Japão, o prefeito de Aichi, onde a Toyota Motor Corp tem sua sede, declarou estado de emergência, disse que os casos confirmados subiram para mais 100 diariamente. Antes disso, os casos diários ficaram  em zero por longos períodos. A agenda da região estava vazia.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 estava em queda de 0,73% aos 362.49 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em queda de 1,35% aos 6.022 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) segue em queda de 0,39% aos 12.610 pontos; o CAC 40 (Paris) segue em queda de 0,89% a 4.890 pontos; o FTSE-MIB (Milão) segue em queda de 1,40% aos 19.464 pontos; o Ibex 35 (Madri) estava em queda de 1,08% a 6.963 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em queda de 0,98% a 4.359 pontos.

As bolsas europeias dão sinais de fechamento em campo negativo nesta quinta-feira. O recuo no mercado acionário se dá com um pouco de realização de lucros. Porém, a declaração do presidente do Banco Central da Inglaterra, que manteve as taxas de juros na baixa histórica de 0,1%, Andrew Bailey, de que não há planos de aplicar taxas de juros negativas nos próximos meses, apesar da “posição restrita” do banco central, também está pressionando os índices . O Comitê também decidiu manter inalterado o tamanho do programa de compra de títulos do banco central em £745 bilhões (US$ 981 bilhões). Logo depois do anúncio, a libra esterlina subiu 0,4%, atingindo uma alta de cinco meses em US $ 1,3184. Na região, os investidores também acompanham a temporada de resultados e as decisões nos Estados Unidos sobre o pacote emergencial.

ESTADOS UNIDOS – Há pouco, o Dow Jones seguia em alta de 0,20% aos 27.256 pontos; o S&P seguia em alta de 0,07% aos 3.330 pontos; e o Nasdaq seguia em alta de 0,10% aos 11.009 pontos.

Em Nova York, a bolsa de valores opera no azul, apesar das negociações enfraquecidas. Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego recuaram, mas as preocupações com o recente impacto de um ressurgimento da pandemia da COVID-19 na economia permanece. Um impasse no Congresso sobre o pacote de US$1 trilhão, ajuda ante os impactos do coronavírus para os americanos desempregados, surgiu nesta sexta-feira. Democratas e republicanos estão em desacordo ao cumprirem um prazo sobre o escopo de qualquer novo pacote de ajuda. Mesmo com o prazo vencido há uma semana, o benefício de US$600 está sendo mantido. Os indicadores de hoje, juntamente com a expectativa para o acordo, deverão manter o mercado volátil. O índice de dólar está em alta de 0,12% a 92,98. O ouro segue em alta.

BRASIL: Ibovespa opera em alta de 0,79% aos 103.615 pontos. O dólar comercial segue em alta de 0,88% aos R$5,340 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo segue em alta nesta manhã. O mercado não foi surpreendido com a decisão do Banco Central do Brasil, que fez um corte na Selic de 0,25 p.p. e deixando a taxa em 2%. Porém, no comunicado do Comitê de Política Monetária – Copom, a brecha ficou com um possível novo ajuste, se necessário. O BCB destaca, como sempre, os resultados do Boletim Focus, que nas últimas semanas as instituições consultadas pelo banco central estão elevando ligeiramente as estimativas do PIB, bem como do IPCA. O Copom disse que os estímulos elevados são consequências da COVID-19. No campo político, o ministro do Tribunal de Conta da União, Bruno Dantas informou estar “perplexo” com declarações do governo federal em estender o prazo de calamidade pública para ultrapassar o teto de gastos. Nesta sessão, o dólar segue em alta.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em alta de 0,49% aos US$45,39 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI seguia em alta 0,12% aos US$42,25 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em alta 1,10% a US$2.071,90 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 2,68% a US$121,27 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios de casas de análises e agências internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?