Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ÍNDICES: Mercados acionários, moedas e agendas neste momento

Data de criação:

access_time 17/09/2020 - 11:42

Data de atualização:

access_time 17/09/2020 - 11:42
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Acompanhe o comportamento dos principais índices dos mercados acionários e das moedas para esta quinta-feira (17/09).

ÁSIA – Ao final, o índice Hang Seng, bolsa de Hong Kong, ficou em queda de 1,56% aos 23.319. O índice Xangai, China, ficou em queda de 0,41% aos 3.270. O índice Shenzhen Composite ficou em alta de 0,08% a 2.186 e o ChiNext ficou estável. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,67% aos 23.319. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em queda de 0,17% aos 2.500. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em queda de 0,82% aos 38.979. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em queda de 0,80% a 12.872. O índice XJO, bolsa de Sidney, ficou em queda de 1,22% aos 5.883. O índice Kospi, Seul, ficou em queda de 1,22% a 2.406 pontos.

As bolsas asiáticas recuaram nesta quinta-feira. Os investidores analisaram as declarações do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ao final da reunião de ontem nos Estados Unidos. Além disso, o Banco Central do Japão também manteve a política monetária e garantiu apoio ao novo primeiro-ministro Yoshihide Suga, que assumiu ontem no lugar de Shinzo Abe. As taxas de juros no Japão estão próximas de zero. Na região, a Austrália apresentou indicadores.

EUROPA – Há pouco, o índice Stoxx Europe 600 seguia em queda de 1,3% aos 369.27 pontos em Londres; o FTSE-100 (Londres) seguia em queda de 0,53% aos 6.046 pontos; o DAX 30 (Frankfurt) segue em queda de 1,07% aos 13.113 pontos; o CAC 40 (Paris) segue em queda de 1,12% a 5.017 pontos; o FTSE-MIB (Milão) segue em queda de 1,58% aos 19.648 pontos; o Ibex 35 (Madri) segue em queda de 0,98% a 7.041 pontos; e o PSI-20 (Lisboa) seguia em queda de 0,19% a 4.285 pontos.

As ações europeias dão sinais de fechamento em campo negativo. Os investidores estão digerindo as declarações do Fed, do BoJ e do Banco Central da Inglaterra sobre as políticas monetárias. O Banco da Inglaterra não alterou as taxas de juros, como esperado, mas a ata da reunião indicava que havia uma discussão sobre como poderia definir taxas de juros negativas se as condições a justificassem. A ata também continha uma promessa de não aumentar as taxas de juros até que haja “evidência clara” de que um progresso significativo estava sendo feito eliminando a capacidade ociosa e atingindo a meta de inflação de 2% de forma “sustentável”. Os indicadores da região estão entre os destaques. As moedas operam no negativo, com o euro estável em US$1.1807 e a libra em queda de 0,15% a US$1.2949.

ESTADOS UNIDOS – Há pouco, o Dow Jones seguia em queda de 0,52% aos 27.887 pontos; o S&P seguia em queda de 0,97% aos 3.352 pontos; e o Nasdaq seguia em queda de 1,54% aos 10.886 pontos.

A bolsa de valores de Nova York abriu em queda nesta quinta-feira. Os investidores estão ainda digerindo as declarações do Federal Reserve sobre a política monetária. As taxas de juros foram e serão mantidas pelo menos nos próximos três anos. Porém, a cautela permaneceu com a fala do presidente Jerome Powell, que destacou a performance da inflação americana nos 2%. De outro lado, os dados econômicos mostrados hoje também estão entre os destaques do dia. Neste momento, o índice DXY segue em alta de 0,08% a 93,29. O índice VIX, que mede o estresse do mercado, está em alta de 6,41%.

BRASIL: Ibovespa opera em queda de 0,35% aos 99.323 pontos. O dólar comercial segue em alta de 0,42% a R$5,262 para a venda.

A bolsa de valores de São Paulo opera em queda e na carona com os demais mercados. As decisões dos bancos centrais, como a do Fed nos Estados Unidos e a do Brasil, estão entre os destaques do dia. O Copom manteve a taxa de juros em 2,0% e, de forma geral, não alterou muito o comunicado. A inflação deve ficar pressionada no curto prazo devido a preços de alimentos, porém o comitê considerou essa alta é temporária e focou mais na recuperação mais lenta no setor de serviços. Hoje, o IPC-FIPE da 2ª semana subiu 1,05%, contra 0,91% na semana anterior. O dólar segue em alta, com a agenda doméstica esvaziada.

Commodities

O petróleo referência Brent opera em alta de 1,52% aos US$42,86 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI seguia em alta de 1,32% aos US$40,73 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do ouro segue em queda de 1,18% a US$1.947,60 a onça na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em queda de 1,48% a US$122,36 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese com relatórios de casas de análises e emissoras de TV internacionais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?