Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Venda das ações da Braskem pela Odebrecht está no destaque da Guide

Data de criação:

access_time 10/08/2020 - 13:28

Data de atualização:

access_time 10/08/2020 - 13:28
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os analistas da Guide Investimentos avaliaram, no relatório desta segunda-feira, os negócios entre as operadoras Oi, Claro, Vivo e TIM e, ao mesmo tempo, a decisão da Odebrecht em vender o restante das ações da Braskem.

Oi- Claro, Vivo e TIM

A Oi assinou um contrato de exclusividade com a Claro, Vivo e Tim para a venda de sua operação de telefonia móvel. O entusiasmo do mercado com o processo também alcançou a equipe da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) dedicada a monitorar o risco de colapso operacional da maior concessionária de telefonia do país.

A animação surge da possibilidade da Oi levantar recursos para abater parte importante da dívida e de transformar-se em uma grande ofertante de conexão por redes de fibra óptica. Ainda assim, integrantes da Anatel avaliam que o processo para garantir a sobrevivência da Oi, no horizonte pósrecuperação judicial, ainda é de “alto risco”.
Os principais fatores que sustentam a incerteza são o passivo de multas devidas à

Anatel, incluídas no plano de recuperação judicial, e o tratamento dos bens da concessão, que traz implicações sobre a estratégia de separação da companhia em unidades produtivas isoladas (UPIs).

“Marginalmente Positivo. O mercado vem se animando bastante com o processo de venda de ativos móveis da Oi, pois acreditam que este possa garantir a sobrevivência da empresa de telefonia em seu horizonte pós recuperação judicial. No entanto, a Anatel sugere que o caminho para garantir a sobrevivência da empresa ainda é considerado de “alto risco”.”

Braskem:

A Odebrecht retomou o processo de venda da totalidade de seus ativos da Braskem. Além disso, a empresa pretende dar início a um processo competitivo pelo controle da maior fabricante de resinas termoplásticas das Américas.
Sua prioridade no momento é de encontrar um comprador para seus ativos, mas a empresa também dá atenção a alternativas que tragam “liquidez e valorização”.

A Braskem foi informada sobre a iniciativa da Odebrecht na sexta-feira (07/08). Será o Morgan Stanley o responsável por assessorar a operação.

A Petrobras, que é hoje a segunda maior acionista da Braskem, também planeja vender suas ações, através de operação que pode se dar no Novo Mercado da B3. A estatal tem buscado junto à sócia ampliar os poderes de sua fatia e aprimorar a governança corporativa da petroquímica, para valorizar a operação.

No mercado, há expectativa de que a Braskem possa ser transformada em uma corporação “pura” a partir da venda das ações detidas pelas duas maiores acionistas em bolsa.

“Positivo. Tanto a Odebrecht como a Petrobras desejam vender a totalidade de suas ações na companhia. De acordo com fontes do mercado, ambas as empresas vêm discutindo a migração da Braskem para o Novo Mercado da B3. Isto contribuiria para que a empresa se valorizasse, além de que facilitaria a saída da estatal. Ainda, existe a expectativa de que a companhia se transforme em corporação “pura” a partir da venda de suas duas maiores acionistas em bolsa.”

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?