Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

A força do petróleo e minério

Data de criação:

access_time 05/01/2021 - 18:50

Data de atualização:

access_time 05/01/2021 - 21:52
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Ontem a Bovespa registrou queda de 0,14%, mas poderia ser bem mais não fosse o desempenho das ações de Petrobras, Vale e siderúrgicas, seguindo tendência do petróleo no mercado internacional e do minério de ferro na China, ambos com boas altas de preço. Hoje, não foi diferente. Na mínima do dia, o Ibovespa atingiu 116.756 pontos, quando o petróleo perdeu sustentação pelas discussões entre os membros da OPEP+, mesmo com o minério tendo mostrado nova alta durante a madrugada em Qingdao.

No ambiente externo, os investidores seguem preocupados com a infecção acelerada pelo covid-19 e suas variantes mais contagiosas. No ambiente interno, a preocupação se dá pelo vácuo de poder, onde temos o presidente voltando de férias, os ministros da área econômica e recesso para todos os lados. Temos que considerar mais dois fatores: primeiro, as disputas sobre sucessão na Câmara e Senado, que impede o trabalho rotineiro dos parlamentares de aprovação de medidas; segundo, a fala do presidente, dizendo que o país está quebrado e não consegue governar. Será que Bolsonaro tem completo entendimento do que representa uma frase dessas na visão dos investidores? O próprio presidente dizendo que o país quebrou!

Além disso, o Brasil deixou de quitar sua dívida com os BRICS, tendo por rotação um brasileiro na presidência do banco e que teria alertado o governo sobre isso, depois de episódio idêntico com contribuição para a ONU.

O dia foi de dois outros fatores movimentando os mercados. A OPEP+ finalizou sua reunião mantendo a produção estabilizada até fevereiro, enquanto a Arábia Saudita vai cortar produção em 1,0 milhão de barris dia até março. A Rússia queria a ampliação em 500 mil barris. A OPEP reafirmou compromisso de mercado estável e abastecimento eficiente e estimou que a fragilidade da recuperação econômica deve se estender por 2021. Fez menção a corte preventivo. O outro fator fica por conta do estresse da eleição de senadores pela Georgia que pode dar o comando das duas casas do Congresso aos democratas, caso eleja os dois senadores. Mas isso só começaremos a saber depois das 21 horas de Brasília, quando os votos começarem a ser computados.

Ainda nos EUA, o índice ISM de Chicago da atividade industrial de dezembro subiu para 60,7 pontos, quando o esperado era 57,0 pontos. Também anunciaram sanções aos produtores de aço do Irã. Já o primeiro ministro inglês, Boris Johnson, falou sobre a necessidade de lockdown, depois de a contaminação ter expandido 70% nos últimos dias de dezembro. Disse que pode relaxar medidas em fevereiro, com ressalvas.

Já a União Europeia negocia mais vacinas com a Pfizer, algo como 300 milhões de doses. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 4,83%, com o barril cotado a US$ 49,92 (vazou US$ 50,00), cotação maior desde fevereiro. O euro era transacionado em alta para US$ 1,23 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,96%. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com altas na Bolsa de Chicago. O minério de ferro teve dia de alta de 1,55% na China, com a tonelada em US$ 167,86.

No segmento doméstico, o IBGE divulgou o IPP de novembro da indústria com expansão de 1,39% (anterior em +3,41%), acumulando no ano +18,92%. Alimentos puxaram o índice com alta de 2,76%. Segundo o Banco Mundial, o Brasil deve encolher 4,5% em 2020 e crescer 3,0% em 2021. Já a Fenabrave anunciou que as vendas de veículos expandiram em dezembro 8,4%, com 2,06 milhões de unidades e mostrou queda em 2020 de 26,2%.

No mercado local, dia de dólar novamente pressionado na compra e a moeda atingindo mais de R$ 5,35, para fechar com queda de 0,15% e cotado a R$ 5,26. Na Bovespa, na última sessão do ano de 2020 os investidores estrangeiros alocaram recursos no montante de R$ 738,4 milhões, deixando o fluxo positivo do mês positivo em R$ 19,7 bilhões, mas o ano de 2020 encerrando com saídas líquidas de R$ 31,8 bilhões, contra R$ 44,4 bilhões em 2019. Lembrando que em setembro as saídas se aproximavam de quase R$ 90 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres por conta do estímulo fiscal de 4,6 bilhões de libras, Paris em queda de 0,44% e Frankfurt com -0,55%. Madri e Milão com quedas de respectivamente 0,10% e 0,52%. No mercado americano, o Dow Jones com +0,55% e Nasdaq com +0,95%. Na Bovespa, dia de recuperação em alta para 0,44% e índice em 119.381 pontos.

Na agenda de amanhã teremos o PMI de serviços e composto de dezembro, o IC-Br das commodities de dezembro e o fluxo cambial do ano de 2020 e da semana. Nos EUA, a pesquisa ADP sobre criação de vagas em dezembro que antecede ao payroll na sexta-feira, o indicador PMI de serviços, as encomendas à indústria e estoque de petróleo, além da ata da última reunião do FED.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?