Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Abortando Altas

Data de criação:

access_time 20/04/2021 - 18:39

Data de atualização:

access_time 20/04/2021 - 21:39
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os mercados no exterior tiveram dia de queda desde a madrugada na Ásia, com a Bolsa de Tóquio encerrando com desvalorização de 1,97%. Na Europa, os mercados foram desacelerando ao longo de todo o dia, com quedas superiores a 2%. O mercado americano seguiu realizando lucros recentes, com as ações de petroleiras liderando perdas. Aqui, além de tudo isso, tivemos reflexos do vencimento de opções para o prazo abril, suspeições sobre o orçamento de 2021, com “furos no teto de gastos” e petróleo em queda no mercado internacional.

No exterior, o clima não andou bem entre a Rússia e os EUA, por conta da Ucrânia e da possibilidade do líder da oposição russa morrer na prisão. Além do fato da Rússia defender restrições a navios de guerra circulando no Mar Negro. Conflito também velado com a China e Xi Jinping pedindo gestão mais equitativa de temas globais, numa alusão a carga feita pelos EUA. Para completar esse quadro, comitê da Câmara americana aprovou projeto que pode implicar a OPEP na lei antitruste dos EUA. Esse um motivo para justificar a queda do óleo no mercado internacional.

Em dia de agenda vazia no mundo e também por aqui, os investidores refletiram as notícias de momento. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava queda de 1,48% (chegou a cair bem mais de 2%), com o barril cotado a US$ 62,44. O euro era transacionado praticamente estável em US$ 1,204 e notes americanos com taxa de juros de 1,563%. O ouro e a prata revertendo para altas na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago. O minério de ferro com altas em Qingdao de 4,30%, com a tonelada em US$ 189,61.

No segmento local, o orçamento de 2021 esteve na ordem do dia. Os acertos entre o Executivo e o Legislativo, até aqui, não foram os melhores para o país, mas os melhores para o momento de pandemia na segunda onda e necessidade de gastos adicionais. Cerca de R$ 125 bilhões ficaram fora do teto de gastos, apenas para despesas relacionadas ao covid-19 do Ministério da Saúde, Pronampe e BEm. Mas, pelo menos, não foi acionado o estado de calamidade que seria quase um cheque em branco. Pela PLN 2 o déficit fiscal pode ser de até R$ 247 bilhões, não mudando muito a sistemática adotada em 2020. O projeto tem ainda um dispositivo que permite bloquear por decreto, despesas discricionárias para recompor custos obrigatórios. Mas as emendas parlamentares foram mantidas em R$ 37 bilhões.

O jeito encontrado deve elevar a dívida pública, e o custo dessa dívida já vem subindo com a taxa de juros. Foi um jeito que o governo conseguiu de manter o equilíbrio “instável” de sua base de apoio, e deixar aberta a possibilidade de perseguir reformas estruturantes. Paulo Guedes disse que assim o orçamento deve ser exequível. Já a FGV, anunciou que o monitor do PIB de fevereiro apontou para alta de 1,4% e a ANP divulgou que o pré-sal atingiu 73% da produção brasileira de óleo em fevereiro, com 2,67 milhões de BOE.

A Receita Federal anunciou a arrecadação de março em R$ 137,9 bilhões, acumulando no ano R$ 445,9 bilhões. A desoneração acumulada de 2021 está em R$ 21,9 bilhões. No comparativo anual a receita cresceu 5,64%. Paulo Guedes esteve presente e repetindo discurso de economia forte, mas não conseguiu cooptar os investidores, e a Bovespa seguiu em queda. A arrecadação foi boa para o mês, mas não como os números sugerem. Houve efeito significativo do câmbio.

No mercado, dia de dólar operando próximo da estabilidade, com a moeda cotada no encerramento em R$ 5,55. Na Bovespa, na sessão de 16/04, os investidores estrangeiros alocaram R$ 679,4 milhões, deixando o saldo acumulado de abril em R$ 4,88 bilhões, e no ano também com ingressos líquidos de R$ 17,04 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda da Bolsa de Londres de 2%, Paris com -2,09% e Frankfurt com -1,55%. Madri e Milão com perdas de respectivamente 2,94% e 2,44%. No mercado americano, o Dow Jones com -0,75% e Nasdaq com -0,92%. Na Bovespa, dia de -0,73% e índice em 120.050 pontos.

Amanhã é feriado no Brasil, mercados não operaram e retomamos nossos comentários na quinta-feira.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?