Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Ajuste de ocasião 

Data de criação:

access_time 04/06/2021 - 20:41

Data de atualização:

access_time 04/06/2021 - 23:41
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Depois de seis sessões seguidas de alta na B3 e de ter fechado na máxima antes do feriado de Corpus Christi, hoje foi dia de algum ajuste no mercado acionário local, reverberando quedas no feriado e mercados com tendência indefinida na sessão de hoje no exterior. Tivemos muitos discursos sobre a crise climática afetando ativos financeiros, além de política monetária e indicadores importantes mexendo com os diferentes segmentos. Aqui, ainda repercutem as declarações de Bolsonaro e a decisão do exército de não punir o ex-ministro general Pazuello.

No exterior, as mudanças climáticas estiveram na ordem do dia com os líderes do BCE (BC europeu), do BOE (BC inglês) e até do PBOC (BC chinês). O presidente do PBOC disse ser preciso colaboração internacional para viabilizar a transição energética, com a China mudando do carvão para energia renovável. Jerome Powell, do FED, disse estar em seu mandato a supervisão e a estabilidade financeira, mas não são os formuladores para combater as mudanças climáticas.

Dentre os indicadores anunciados, tivemos o payroll americano de maio, com a criação de vagas na economia, com expansão de 559 mil postos de trabalho, após previsão de +700 mil. A taxa de desemprego encolheu para 5,8%, e o salário médio por hora trabalha cresceu 0,5% em maio e 1,98% na comparação anual. Já as encomendas à indústria caíram 0,6%, após expectativa de -0,2%. Mas os dados foram comemorados com a expectativa de que vão seguir fortes nos próximos meses. Isso também mexeu com ações (Bolsas reforçando altas), câmbio e juros em queda.

O presidente Biden falou sobre seu governo com sinais evidentes de progresso no emprego e na recuperação econômica, reflexo da vacinação e da política fiscal. Disse que a atividade industrial é a mais forte em mais de 15 anos. Os republicanos criticaram a proposta mais recente de pacote de infraestrutura de US$ 1 trilhão, e a China também disse que os EUA violam leis ao proibir investimentos americanos em empresas chinesas. Na Alemanha, o ministro das Finanças disse que pode surgir um acordo até amanhã no G7 por imposto global, e economistas da Casa Branca disseram ter identificado soluções concretas para a escassez de chips semicondutores, que nos próximos dias serão anunciadas.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 0,97%, com o barril cotado a US$ 69,48. O euro era transacionado em alta para US$ 1,216 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,55%. O ouro e a prata com boas altas na Comex, em função da queda do dólar e commodities agrícolas com altas na Bolsa de Chicago. O minério de ferro, depois de ter fechado em alta ontem, hoje teve queda de 1,73%, com a tonelada em Qingdao, na China, em US$ 207,35. Isso não foi suficiente para manter as ações de Vale e CSN em alta por conta de noticiário local suspendendo operações em áreas das duas empresas.

Aqui o dia foi de agenda econômica fraca, com a divulgação do PMI de serviços de maio em alta para 48,3 pontos (anterior em 42,9 pontos) e composto com 49,2 pontos (anterior em 44,5 pontos). Melhores, mas ainda em área de contração da atividade, pois estão abaixo dos 50 pontos. O secretário Sachsida disse que vai insistir na estratégia de consolidação fiscal e reformas para ancorar expectativas de inflação. Sachsida lembrou o pior risco hidrológico no país.

No mercado, mais um dia de queda do dólar, seguindo fraqueza externa. No fechamento, marcava -0,95% e era cotado a R$ 5,03. Na B3, na sessão de 01/06, os investidores estrangeiros alocaram recursos no montante de R$ 1,86 bilhão, deixando o saldo do ano positivo em R$ 33,4 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta de 0,07% na Bolsa de Londres, Paris com +0,12% e Frankfurt +0,39%. Madri e Milão com quedas de, respectivamente, 0,58% e 0,46%. No mercado americano, o Dow Jones com alta de 0,52% e Nasdaq com +1,47%. Na B3, dia de recuperação na parte da tarde com novo recorde de pontuação, encerrando com +0,40% e índice em 130.125 pontos.

RESUMO DA SEMANA

IBOVESPA: +3,63%

DOW JONES: +0,66%

NASDAQ: +0,48%

DÓLAR: -0,95%

Bom fim de semana!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

 

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?