Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Ernesto Araújo: uma nova baixa

Data de criação:

access_time 29/03/2021 - 18:34

Data de atualização:

access_time 30/03/2021 - 12:36
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Era só uma questão de tempo até a saída do chanceler Araújo do MRE, depois do entrevero com a senadora Kátia Abreu e de muitas discussões sobre ideologia, sem se preocupar com o Brasil e com a abertura do país. Araújo pediu demissão hoje, mas aparentemente existem outras cobranças em curso, como a de Ricardo Salles. Também hoje ficamos sabendo que quatro conselheiros do BB pediram para sair e as indicações parecem encerrar definitivamente o perfil de banco privado. Quanto ao Itamarati, resta saber que perfil terá o novo ministro. O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, também renunciou ao cargo no meio da tarde.

Mas, independentemente do acontecido no final de semana e, também hoje, até que o dia foi positivo para os mercados de risco no mundo. Na China, o lucro industrial de fevereiro disparou 179% no comparativo com fevereiro de 2020, época de lockdown em Wuhan. Já o FMI, vê perspectiva melhor para a pandemia, mas a situação é bem diferente entre alguns países. Segundo o FMI, os emergentes vão acumular perdas de até 20% do PIB até 2022.

A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) disse que países ricos devem aliviar serviço da dívida dos países mais vulneráveis. O Banco Mundial acrescentou que a suspensão das dívidas de países pobres vai causar alívio de cerca de US$ 7,3 bilhões. No final da tarde, o presidente Biden anunciou que vai mostrar o pacote de infraestrutura depois de amanhã e que, neste final de semana, os EUA vacinaram mais de 10 milhões de pessoas.

Os mercados também puderam comemorar a movimentação do navio encalhado no canal de Suez, que agora vai passar por vistorias para ver a navegabilidade e liberação de passagem. No mercado internacional, o dia foi ainda marcado por grande volatilidade e mudanças de sinal, como no caso do petróleo. O óleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 0,97%, com o barril cotado a US$ 61,56. O euro era transacionado em queda para US$ 1,176 e notes americanos de 10 anos romperam novamente o patamar de juros de 1,70%, e os de 30 anos chegaram a 2,42%. O ouro e a prata com quedas desde cedo na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago. O minério de ferro é que teve madrugada de forte alta em Qingdao na China com +4,08% e tonelada cotada em US$ 167,88.

No ambiente local, o Bacen divulgou dados da nova pesquisa semanal Focus, com a inflação de 2021 subindo para 4,81% (anterior em 4,71%) e mantida estável em 3,51% para 2022 e 3,25% em 2023. Nesta semana, a Selic prevista para o final do ano ficou estável em 5%, mas deve subir no próximo período. O PIB previsto para o ano caiu mais uma vez para 3,18%, e dólar subindo para R$ 5,33%. A produção industrial também melhorou para +5,24% (anterior em +5,10%) e o saldo da balança comercial permaneceu estável com superávit de US$ 55 bilhões.

O Bacen anunciou que o estoque total de crédito cresceu 0,7%, para R$ 4,05 trilhões em fevereiro, significando 54% do PIB. As concessões de crédito livre cresceram 5,2% e a taxa de juros média em 28,1%. A inadimplência ficou em 2,9%, com as pessoas físicas em 4,1%, e pessoas jurídicas com 1,6%. O endividamento das famílias em dezembro estava em 56,4% e o comprometimento da renda com o crédito em 31,1%. O governo também anunciou a MP do ambiente de negócios que pode atrair recursos entre R$ 3,5 bilhões e R$ 10 bilhões por ano em investimento externo direto.

No mercado local, o dólar chegou a vazar novamente o patamar de R$ 5,80 ao longo do dia por conta da crise política e sanitária, mas depois voltou para fechar com alta de 0,44%, cotado a R$ 5,766. Na Bovespa, na sessão de 25/3, os investidores estrangeiros sacaram recursos no montante de R$ 1,36 bilhão, deixando o saldo de março negativo em R$ 4,12 bilhões, porém o ano permanece positivo em R$ 12,65 bilhões.

No mercado acionário, dia de leve queda de 0,07% na Bolsa de Londres, Paris com +0,45% e Frankfurt com +0,47%. Madri em queda de 0,07% e Milão com alta de 0,12%. No mercado americano, o Dow Jones encerrou o dia com +0,30% e Nasdaq com -0,60%. Na Bovespa, dia de alta de 0,56% e índice em 115.418 pontos.

Na agenda de amanhã, nesta semana mais curta, teremos o IGP-M fechado de março e o IPP (preço do produtor) de fevereiro, além do resultado do Tesouro em  fevereiro. Nos EUA, o índice Case-Shiller de preço de imóveis de janeiro, a confiança do consumidor do Conference Board de março e os discursos de dirigentes do FED.

Boa noite.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?