Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Inflação e juros permeiam mercados

Data de criação:

access_time 12/05/2021 - 18:49

Data de atualização:

access_time 12/05/2021 - 21:49
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Em nosso comentário de abertura identificávamos que os mercados poderiam ser sensibilizados por indicadores que seriam divulgados, dentre eles a inflação nos EUA e o volume de serviços prestados no segmento local.

Isso efetivamente aconteceu, mas desde o início do dia os investidores já mostravam preocupação com a inflação que subiu na Alemanha. Logo no começo da manhã os EUA mostraram a inflação medida pelo CPI (consumidor) de abril em +0,8%, quando o previsto era +0,3% e a taxa na comparação anual de 4,2%, quando a previsão era +3,6%. O núcleo mensal foi de 0,9% e na comparação anual em 3%, de projeção de 2,3%. Foi o que bastou para os mercados iniciarem queda mais forte, mexerem no campo e também nos juros. Dólar forte, juros em alta e bolsas em queda, afetando também o mercado local.

O presidente Biden busca acordo com parlamentares republicanos para seu pacote de infraestrutura e os republicanos estão receptivos para ampliar dos falados US$ 568 bilhões, bem aquém do que o presidente desejaria. A Casa Branca também diz estar monitorando a inflação, que parece mesmo ser transitória, em função de certo descompasso entre oferta e demanda e desigual recuperação setorial.

O vice-presidente do FED, Clarida, disse que após a divulgação do payroll na semana passada, o quadro de emprego no curto prazo ficou mais incerto que a alta do PIB, com dados encorajadores.  Destacou o risco de novas cepas da covid-19, e que é preciso separar o que é transitório do não-transitório na inflação, e que possuem instrumentos para serem usados.  O presidente do FED regional de Atlanta Bostic acrescenta que em épocas de turbulência a volatilidade na inflação é esperada.

A situação dos mercados voltou a piorar quando foi anunciado o déficit orçamentário recorde de abril, em US$ 1,9 trilhão, em apenas sete meses. Os notes subiram forte e o mercado americano caiu ainda mais, com juros do notes voltando a subir e arrastando também a B3.

Ainda nos EUA, os estoques de petróleo da semana anterior encolheram bem menos que o previsto em 426 mil barris, mas não chegaram a mexer muito com os preços internacionais, em função do relatório apresentado pela AIE com corte no aumento da previsão de demanda. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,77%, com o barril cotado a US$ 65,78. O euro era transacionado em queda para 1,207 e notes americanos de 10 anos chegaram a vazar 1,68% no leilão ocorrido com demanda mais fraca, mas operavam em 1,696%.

O ouro e a prata com quedas na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago. O minério de ferro em Qingdao, na China, recuperou perdas de ontem e fechou em alta de 3,77%, com a tonelada em US$ 237,57. Nem isso foi suficiente para manter as ações da Vale e siderúrgicas em alta.

No segmento doméstico, o IBGE anunciou o volume de serviços prestados em março com queda de 4%, mas contra igual período de 2020 com +4,5%. No ano mostra queda de 0,8% e em 12 meses queda de 8%, mostrando que a recuperação do segmento está lenta. O volume ainda está 13,6% abaixo do período pré-pandemia. Destacamos o setor de turismo com queda em março de 22%, muito em função da aceleração da pandemia. O IBGE também mostrou a expectativa de safra do ano em 264,3 milhões de toneladas de grãos, 4,1% maior que no ano anterior e hectares plantados crescendo 3,7%, em 67,9 milhões.

O Bacen mostrou o fluxo cambial até 07/05 com saída de recursos de US$ 1,52 bilhão, sendo US$ 1,12 bilhão pelo canal financeiro e saída no comercial de US$ 344 milhões. No ano há ingresso líquido de US$ 11,2 bilhões e a posição cambial líquida estava em US$ 276,5 bilhões. No ano de 2021, pelo canal financeiro o saldo era positivo em US$ 2,3 bilhões.

No mercado local dia de dólar novamente volátil para encerrar com +1,59% e cotado a R$ 5,30. Na B3, na sessão de 10/05, os investidores voltaram a alocar recursos dentro do que chamamos apetite para risco no montante de R$ 1,47 bilhão, deixando o saldo positivo de maio em R$ 4,8 bilhões e o ano com ingressos líquidos de R$ 24,06 bilhões.

No mercado acionário dia de alta na bolsa de Londres de 0,82%, Paris com +0,20% e Frankfurt com também +0,20%. Madri e Milão com altas de respectivamente 0,20% e 0,23%. No mercado americano dia de queda do Dow Jones de 1,99% e Nasdaq com -2,67%. Na B3 mercado em queda de 2,65% e índice retornando para 119710 pontos, e com apenas três ações mostravam alta.

Na agenda de amanhã teremos o IBC-Br de março, uma prévia do PIB pelo Bacen e nos EUA a inflação pelo PPI (atacado) de abril, os pedidos de auxílio desemprego da semana anterior e mais discursos de dirigentes do FED.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?