Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Mercado local em sintonia com o americano

Data de criação:

access_time 11/06/2021 - 16:00

Data de atualização:

access_time 11/06/2021 - 21:41
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Guardada a proporção, o mercado local acompanhou as oscilações do mercado americano, com o agravante dos estresses locais, ampliado pela reunião do Copom, que começa no próximo dia 15/06, em que o mais importante será a sinalização do Bacen. O dia foi de agenda fraca aqui e no exterior, mas os mercados da Europa encerraram o dia com boas altas (índice STOXX com recorde de pontuação), e o americano com comportamento misto em boa parte do dia e juros dos notes com taxas em alta.

No exterior, o banco central da Rússia elevou a taxa básica de juros para 5,5% (de 5%) e o rublo atingiu máxima. Na Alemanha, o Bundesbank (BC) elevou a previsão do PIB de 2021 para 3,7% (anterior em 3%) e a de 2022 para 5,2% (de 4,5%), já baseado na boa recuperação prevista para o segundo semestre. Também elevou a previsão de inflação do ano para 2,6% (de 0,4%) e, em 2022, voltando para o nível de 1,8%.

Nos EUA, a confiança do consumidor de Michigan subiu para 86,4 pontos em junho, de previsão de ficar em 84,4 pontos. A União Europeia disse que as negociações nucleares com o Irã serão retomadas neste sábado, em Viena, e lembramos que ontem os EUA retiraram sanções contra pessoas do Irã, o que enseja a perspectiva de boas negociações no fim de semana.

Já a China vai acelerar esforços para conter a escalada de preços das commodities minerais, como o cobre e o minério de ferro. Depois de todos os esforços feitos, o minério de ferro, por exemplo, teve quatro pregões de alta e terminou a semana com valorização de 5,74% em Qingdao. O petróleo foi nessa mesma batida e também subiu no mercado internacional.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 1%, com o barril cotado a US$ 70,99, depois de a AIE (agência de energia) ter cortado a previsão de demanda em 50 mil barris por dia. Essa alta na semana acabou afetando negativamente as ações da Petrobras, por ter reduzido o preço da gasolina nas refinarias em R$ 0,05. O euro era transacionado em queda para 1,21 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,50%, depois de começar o dia com 1,44%. O ouro em queda e a prata em alta nas negociações da Comex, e commodities agrícolas com quedas na Bolsa de Chicago.

Aqui, a FGV anunciou o indicador antecedente de emprego com alta de 4,7 pontos, para 83,4 pontos em maio. A CNI (Confederação Nacional da Indústria) anotou que o faturamento real de abril encolheu 1,3%, com utilização da capacidade instalada subindo para 82,3%. Já o IBGE divulgou o volume de serviços prestados em abril com alta de 0,7%, contra abril de 2020 com expansão de 19,8% e no ano em curso com alta de 3,7%. Porém, em 12 meses, mostra contração de 5,4%. De qualquer forma, a expansão de abril foi maior que a média das projeções, mas, avaliada por dentro do indicador, os serviços prestados às famílias seguem 40,1% abaixo do período pré-pandemia.

A Fiocruz prometeu entregar 18 milhões de vacinas em junho e, para julho, estima produzir 15 milhões de doses ou mais, dependendo do suprimento de insumos (IFAs). Nas últimas quatro semanas, as entregas aumentaram 10%. O presidente Bolsonaro voltou a discursar extremamente político, culpou governadores e prefeitos, se eximiu de culpa pelas perdas de emprego, foi vaiado e xingado em voo. A pesquisa divulgada pela Exame mostrou avaliação 49% de ruim ou péssimo para seu governo e 26% de bom. A pesquisa mostra que 52% concordam com as manifestações contra o governo e 61% são contra a realização da Copa América. Bolsonaro mantém a “motociata” no fim de semana em São Paulo e espera mais de 100 mil motos participando.

No mercado, dia de dólar em alta como previsto, fechando com +1,12% e cotado a R$ 5,122. Talvez em função dos problemas técnicos ocorridos na B3, que atrasaram o fechamento da sessão de ontem, ainda não tinha sido disponibilizado o fluxo de recursos de investidores estrangeiros na sessão de 09/06. Porém, até a sessão de 08/06, o fluxo canalizado estava positivo em junho em R$ 9,15 bilhões e no ano de 2021 com ingressos líquidos de R$ 40,53 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,65%, Paris com +0,83% e Frankfurt com +0,78%. Madri e Milão com altas de 0,80% e 0,31%, respectivamente. No mercado americano, o Dow Jones com +0,04% e Nasdaq com +0,35%. Na B3, dia de queda de 0,49% e índice em 129.441 pontos, mesmo com Vale em forte alta e secundada por siderúrgicas.

RESUMO DA SEMANA

IBOVESPA: -0,52%

DOW JONES: -0,79%

NASDAQ: +1,84%

DÓLAR: +1,71

PETRÓLEO WTI: +1,84%

Bom fim de semana!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?