Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Mercados enfraquecem com realizações

Data de criação:

access_time 29/04/2021 - 19:05

Data de atualização:

access_time 29/04/2021 - 22:05
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O dia começou bem nos principais mercados acionários do mundo, perdendo força ainda durante a manhã e recuperando um pouco mais para a tarde. Observamos realizações de lucros recentes em algumas ações que tinham subido forte, larga expectativa com resultados de empresas de tecnologia, que divulgam os números do trimestre, e ajustes por conta de indicadores anunciados. Aqui, ainda fica pendente a decisão do impasse bilionário de retirar o PIS/COFINS do cálculo do ICMS.

No exterior, a Turquia falou em aperto monetário antes do previsto. Na Alemanha, a inflação preliminar pelo CPI (consumidor) de abril, mostrou alta de 0,7%, maior que a prevista, e taxa anual de 2%, quando o previsto era de 1,8%. Hoje, em reunião do parlamento europeu, as críticas ao presidente Bolsonaro sobre pandemia permearam os debates.

Segundo o FMI, os emergentes gastaram apenas 6% do PIB com a pandemia, enquanto os países desenvolvidos chegaram a 27%. Também identificaram que os emergentes sofrem com risco de aperto monetário, principalmente por parte dos EUA. Já o Banco Mundial enxerga a crise na América Latina pior do que está sendo vista.

Nos EUA, tivemos a divulgação dos pedidos de auxílio-desemprego, o número ficou em 553 mil, quando o previsto era que ficasse em 529 mil. O PIB do primeiro trimestre em sua primeira leitura ficou levemente menor que o previsto, em taxa anualizada de 6,4%. No quarto trimestre tinha subido 4,3%. Já o PCE de gastos com consumo evoluiu anualizado em 3,5%, com o núcleo em +2,3%. Essa medida é a preferida pelo FED.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 1,74%, com o barril cotado a US$ 64,97. O euro era transacionado em alta para US$ 1,213 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros em 1,675%. O ouro e a prata viraram para quedas na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago. O minério de ferro negociado em Qingdao, na China, anotou queda de 0,48%, com a tonelada em US$ 191,60.

No segmento doméstico, a inflação medida pelo IGP-M em abril foi de 1,51%, desacelerando de 2,94% no mês anterior. No acumulado de 2021 está em 9,89% e em 12 meses com 32,02%. O Bacen anunciou volume de crédito ao final de março de R$ 4,10 trilhões, com expansão de 1,5%. A inadimplência seguiu comportada em 2,9% e o spread caiu para 22,5%, de 22,9%. O endividamento das famílias em 57% é baixo para o padrão local e o comprometimento da renda em 30,9%. Já a concessão de crédito livre cresceu 28,2% em março e juros do rotativo no cartão de crédito subiu para 334,9% aa.

O Tesouro Nacional anunciou que o Governo Central teve superávit em março de R$ 2,10 bilhões, e no trimestre com superávit de R$ 24,44 bilhões. Mas o déficit primário em 12 meses está em 9,5% do PIB. O déficit do INSS em março foi de R$ 20,05 bilhões. O governo projeta dívida bruta de 87,2% do PIB em 2021. O crescimento menor do PIB torna a consolidação fiscal mais custosa, situação já identificada pelo FMI. As receitas cresceram 20,4% sobre igual período de 2020 e despesas menores em 3,1%. Não enxergamos consistência nesse resultado de março, até por conta de despesas contidas pela antivigência do orçamento de 2021.

O BNDES suspendeu a cobrança de empréstimos de pequenas empresas no montante de R$ 2,9 bilhões. Do lado político, a farmacêutica do Sputnik diz que abrirá processo contra a Anvisa por informações falsas sobre a vacina e o Brasil superou a marca de 400 mil óbitos pelo covid-19

No mercado, dia de dólar em queda de 0,47% no fechamento e cotado a R$ 5,33. Na Bovespa, na sessão de 27/04, os investidores estrangeiros voltaram a sacar recursos no montante de R$ 149,3 milhões, mas em abril o saldo é positivo em R$ 6,8 bilhões e no ano com ingressos líquidos de R$ 19 bilhões.

No mercado acionário, dia de queda da Bolsa de Londres de 0,03%, Paris com -0,11% e Frankfurt com -0,90%. Madri com alta de 0,25% e Milão com -0,74%. O Dow Jones encerrou com +0,68% e Nasdaq com +0,22%. Na Bovespa, dia de -0,82% e índice em 120.065 pontos, com Vale se destacando perto da estabilidade.

Na agenda de amanhã teremos a confiança do segmento de serviços de abril, dados da PNAD contínua do trimestre encerrado em fevereiro, a nota de política fiscal de março e definição de bandeira tarifária de energia para maio. Nos EUA, a renda e o gasto pessoal, o deflator de preços do consumo, PCE de março e a confiança do consumidor de Michigan de abril.

Boa noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?