Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Mercados voláteis e de difícil previsão

Data de criação:

access_time 18/05/2021 - 19:06

Data de atualização:

access_time 18/05/2021 - 22:06
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Avaliando o comportamento dos mercados no início do dia, a previsão inevitavelmente seria francamente de alta. Bolsas da Ásia fechando com fortes altas, Europa operando no positivo e futuros dos EUA também indicando alta. As commodities também tinham início de dia positivo. Mas não foi bem isso que aconteceu, numa sessão de agenda fraca de eventos. Lembrando que falamos que os mercados se pautariam pelas notícias de momento.

Logo cedo tivemos a divulgação do indicador de construção de novas residências nos EUA, e tudo começou a modificar para comportamento mais comedido. O indicador veio mostrando contração de 9,5% em abril (previsão era -2,2%), e novas permissões com expansão de somente 0,3%. Mais para o final da manhã circularam informações de que a Rússia anunciaria na ONU um acordo nuclear com o Irã que poderia ser anunciado amanhã, mas surgiram boatos que arestas ainda teriam de serem aparadas. Por conta disso o petróleo saiu de positivo para negativo no mercado internacional.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, declarou que o governo americano deve voltar a exercer papel mais ativo e inteligente na economia, que os estímulos são investimentos para tornar a economia competitiva e sustentável e quer eliminar incentivos que beneficiam empresas com atividades foram dos EUA. Já Christine Lagarde, do BCE (BC europeu), disse que as políticas fiscal e monetária não devem se alterar tão cedo, pois existem muitas incertezas e o combate às mudanças climáticas se faz com normas, impostos e orçamento e que deveriam saber o que o setor privado pretende fazer para direcionar mudanças.

Ainda nos EUA, Biden quer pacote de US$ 2,3 trilhões em infraestrutura bipartidário e diz que a China não ganhará competição por carros elétricos que é irreversível. O FED também divulgou o testemunho de Randal Quarles em comitê da Câmara, dizendo que o sistema financeiro está mais forte que antes da pandemia e que segue sendo a força da recuperação da economia. O festejado Larry Summers, ex-secretário do Tesouro americano, acusou o FED de perigosa complacência com a inflação.

Nossa percepção é de investidores indecisos entre inflação acelerando no mundo e curva ascendente de juros prejudicando endividados e ações mais próximas que o previsto de bancos centrais na política monetária, e a retomada das economias também mais rápida, a partir da vacina mais forte contra covid-19. Isso reduz o giro de curto prazo e não traz tendência mais consistente para os mercados de risco no mundo, e aqui não é diferente. Aqui vamos emplacando o quarto pregão seguido de alta.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 1%, com o barril cotado a US$ 65,61. O euro era transacionado em alta para US 1,223 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,642%. O ouro e a prata com altas pequenas na Comex e commodities agrícolas com desempenho passando para negativo. O minério de ferro é que teve novamente dia de forte alta em Qingdao na China, com valorização de 3% e tonelada cotada no encerramento em US$ 224,44.

No cenário doméstico, a secretaria de política econômica elevou a expectativa de PIB de 2021 para 3,5% (IPCA também mais alto em 5,05%), enquanto as revisões de projeções das instituições tangenciam 4% para cima. O banco central também fez reuniões com as agentes e as discussões giram no sentido de colocar a Selic com ajuste total em não parcial e explicações para a performance da economia mais positiva no primeiro trimestre de 2021.

O governo também lançou incentivo para caminhoneiros para tentar conter greve e a Caixa Econômica abrindo linha de crédito com condições especiais e prazo de 60 meses e podendo antecipar recebíveis.  O presidente da Câmara Arthur Lira disse que a MP da Eletrobrás estará na pauta de amanhã para discussão.

No mercado, dia de dólar ainda volátil e fechando com -0,22% e cotado a R$ 5,25. Na B3, na sessão de 14/05, mais uma entrada líquida dos investidores estrangeiros de R$ 1,16 bilhão, deixando o saldo do mês de maio positivo em R$ 6,53 bilhões e no ano com ingressos de R$ 25,7 bilhões.

No mercado acionário, Bolsa de Londres praticamente estável com +0,02%, Paris com -0,21% e Frankfurt com -0,07%. Madri e Milão tiveram dia de alta de respectivamente 0,33% e 0,07%. No mercado americano comportamento misto durante toda a sessão, com o Dow Jones fechando em -0,78% e Nasdaq com -0,56%. Na B3, dia tomando melhor rumo somente na parte da tarde, para fechar quase estável (+0,03%) e índice em 122.979 pontos. Destaque positivo para Vale pelo minério em alta e siderúrgicas anunciando aumento de preços do aço.

Na agenda fraca de amanhã teremos a segunda prévia do IGP-M de maio e fluxo cambial pelo Bacen na semana anterior. Na zona do euro a inflação de abril pelo CPI (consumidor), e nos EUA a ata do FOMC do FED da última reunião, os estoques de petróleo do departamento de energia na semana anterior e discursos de dirigentes do FED.

Boa Noite!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?