Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Agenda fraca

Data de criação:

access_time 06/04/2021 - 09:52

Data de atualização:

access_time 06/04/2021 - 12:52
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O dia começa com agenda fraca, interna e externa, com isso os mercados ficarão suscetíveis ao noticiário ao longo do período. Ontem, a Bovespa quase atingiu o objetivo que vínhamos marcando como importante, em 118 mil pontos do Ibovespa, encerrando com alta de 1,87% e índice em 117.518 pontos (na máxima chegou a 117.667 pontos). O dólar teve dia de queda, fechando cotado a R$ 5,68, absorvendo a fraqueza externa.

Hoje, as Bolsas da Ásia terminaram o dia com comportamento misto, Europa sobe na volta do feriado prolongado, seguindo recordes de pontuação de ontem no mercado americano e futuro dos mercados, nos EUA, com leve queda reajustando posições. Aqui, dá para intuir comportamento ainda positivo, abrindo espaço para o objetivo em 120 mil pontos. Melhor comportamento do petróleo e minério de ferro ajudam as ações líderes. Porém, vai depender do noticiário e do fluxo de recursos canalizado. Aliás, o fluxo estrangeiro na Bovespa em março marcou saída de recursos de R$ 4,6 bilhões, mas 2021 ainda mostra ingresso líquido de R$ 12,16 bilhões.

Na China, durante a madrugada foi anunciado o PMI caixin de serviços de março em alta, para 54,3 pontos, vindo de anterior em 51,5 pontos e o índice composto que inclui indústria com alta para 53,1 pontos, de anterior em 51,5 pontos. Deixou a sensação que a desaceleração recente foi somente um suspiro.

Na Austrália, o banco central manteve a taxa de juros básica estável na mínima histórica de 0,10%. Na zona do euro, a taxa de desemprego de fevereiro ficou estável em 8,3%. Já nos EUA, o presidente Biden ganhou reforço para aprovar o pacote de infraestrutura, de uma conselheira independente do Senado, mas quer aprovação bipartidária.

No Japão, o governo de Suga prorrogou as sanções contra a Coreia do Norte por mais dois anos. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava recuperação da forte queda de ontem, que chegou a mais de 5,0% e tinha alta de 1,56%, com o barril cotado a US$ 59,54. O euro era transacionado quase na estabilidade em US$ 1,18 e notes americanos de 10 anos com taxa de 1,707. O ouro e a prata tinham quedas na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago. O minério de ferro registrou alta em Qingdao na China de 1,44%, com a tonelada em US$ 170,90.

Aqui, o presidente do Senado Rodrigo Pacheco disse que o relatório de Bittar sobre o orçamento foi elaborado em consonância com a equipe economia e a responsabilidade deve ser compartilhada. Segundo noticiário, o ministro Paulo Guedes avalizou o acordo do orçamento. Já Roberto Campos Neto, que participa de um evento agora pela manhã, disse que o Brasil precisa transmitir credibilidade fiscal, que sempre foi problema por aqui. Ao mesmo tempo, Rodrigo Pacheco tenta seduzir investidores estrangeiros para permanecerem no país. A inflação das classes de mais baixa renda IPC-C1 de março mostrou alta de 0,82%, contra anterior de 0,40%.

Sobre covid-19, o Brasil registra 332,7 mil óbitos, 13 milhões de infectados e já vacinou 19 milhões de pessoas. Em dia de agenda fraca, vamos ficar ao sabor do noticiário, mas a expectativa é de Bovespa podendo trabalhar em alta, juros e dólar ainda fracos.

Bom dia e bons negócios.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?