Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Começa a cúpula do clima

Data de criação:

access_time 22/04/2021 - 10:06

Data de atualização:

access_time 22/04/2021 - 13:06
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Ontem, os mercados abertos no mundo tiveram dia de desempenho positivo, o que significa a possibilidade de ajustes na Bovespa e também no dólar um pouco mais fraco, devido à queda de juros nos EUA. Hoje, os mercados da Ásia voltaram a operar e encerrar no campo positivo, exceto a Bolsa de Xangai com perda de 0,23%. Europa também operando em alta neste início de manhã por conta de novos recordes intraday. Nos EUA, mercado saindo de misto para negativo.

Aqui, teremos que voltar a ultrapassar a faixa de 121 mil pontos do Ibovespa, para buscar a casa de 123.500 pontos e em seguida ter como objetivo buscar o recorde em 125.300, obtido em 08/01. Mas o dia é de tensão por conta de dois temas principais: o início da cúpula do clima e ainda o imbróglio do orçamento de 2021.

Sobre clima, começa a reunião com os maiores líderes do planeta. O Brasil que sempre foi referência, chega com a imagem desgastada, com os piores resultados e práticas na área ambiental. Além de pedidos de saída do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Prometemos políticas responsáveis, mas seguimos na mesmice. Queremos recursos para coibir o desmatamento, mas usamos recursos de forma ineficiente. Ao mesmo tempo, os EUA já avisaram que a reunião não é para captarmos recursos.

Segundo o noticiário, o presidente Bolsonaro deve repetir os termos da carta encaminhada ao presidente Biden, classificada pelo ex-chanceler Ricupero como um amontoado de mentiras. Biden, por sua vez, deve colocar que pretende reduzir a emissão de gases em 50% até o ano 2030.

Já sobre o orçamento, Bolsonaro sancionou ontem a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentária) de 2021, com gastos da saúde fora do teto de gastos. Mas pode perder o controle disso, com a primazia da gestão nas mãos do Congresso Nacional, que não abriu mão das emendas parlamentares, que somam a R$ 37 bilhões.

Outra notícia ruim ficou por conta da gigante do setor de cimento LafargeHolcin, que anunciou decisão de vender suas operações no Brasil. Já a FGV, divulgou a confiança da indústria em abril em contração de 1,1 ponto, com o indicador caindo para 103,1 pontos e utilização da capacidade em 75,6%.

No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, tinha queda de 0,51%, com o barril cotado a US$ 61,04. O euro era transacionado em US$ 1,205 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,56%. O ouro e a prata mostravam quedas na Comex e commodities agrícolas com desempenho novamente de alta na Bolsa de Chicago.
A expectativa para o dia é de Bovespa podendo tentar reação de alta, dólar pressionado e juros também, enquanto os investidores esperam a decisão do BCE (BC europeu) sobre política monetária, que não deve mudar juros, mas pode anunciar mudanças na compra de ativos. Também segue a safra de balanços do primeiro trimestre de 2021, com alterações pontuais.

Nos EUA, teremos os pedidos de auxílio-desemprego, índice de indicadores antecedentes do Conference Board e o índice de atividade industrial de Kansas do mês de abril.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?