Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Lula Elegível em 2022

Data de criação:

access_time 16/04/2021 - 09:42

Data de atualização:

access_time 16/04/2021 - 12:47
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Ontem a Bovespa conseguiu marcar o quarto pregão consecutivo de alta, com valorização de 0,34% e índice fechando em 120.700 pontos. O dólar encerrou em queda de 0,75%, cotado a R$ 5,63. Os mercados americanos ajudaram e bateram novamente recordes de pontuação, com o Dow Jones em alta de 0,90% e Nasdaq com +1,31%.

Hoje, mercados no mundo novamente com valorizações. Efeito dos indicadores de conjuntura mostrados pela China durante a madrugada. As Bolsas da Ásia encerraram o dia com altas, Europa operando na mesma direção nesse início de manhã e os futuros do mercado americano mostram comportamento misto. Aqui, seguimos cravando posição que a Bovespa pode ir na direção do recorde de pontuação, pouco acima dos 125 mil pontos do Ibovespa, se o noticiário político acalmar e se tivermos definições sobre o orçamento de 2021.

Os mercados reagem à divulgação de indicadores fortes na China, apesar de mostrarem desaceleração em relação ao primeiro bimestre de 2021. Durante a madrugada foram mostrados indicadores com boa expansão. Começando pelo PIB do primeiro trimestre, houve expansão na comparação anual de 18,3%, quando a previsão era de +19,3%. Só para ilustrar, o PIB do primeiro trimestre de 2020 encolheu 6,8%, no auge da contaminação pelo covid-19.
A produção industrial de março, na China, registrou expansão na comparação anual de 14,1%, de previsão de crescer 16,5%. As vendas no varejo expandiram na mesma base anual (34,2%) e os investimentos em ativos fixos do trimestre ficaram com alta de 25,6% (previsão de +26,4%). As vendas de imóveis do primeiro trimestre cresceram 95,5% e os preços de março tiveram alta de 4,3%. Os indicadores confirmaram que EUA e China vão puxar o crescimento global.

Na zona do euro, a inflação medida pelo CPI (consumidor) de março mostrou alta na comparação anual de 1,3%, com o núcleo com +0,9%. O superavit da balança comercial de fevereiro foi de 18,4 bilhões de euros, fruto de exportações em queda de 2,9% e importações maiores em 3,4%. No mercado internacional, o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava alta de 0,35%, com o barril cotado a US$ 63,68. O euro era transacionado em leve alta para US$ 1,198 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,589%. O ouro e a prata com altas na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago.

Aqui, ontem o STF formou maioria para anulação dos processos de Lula (na Lava Jato) e tornou o ex-presidente elegível para 2022, por um placar de 8X3. Bolsonaro comentou isso na tradicional live das quintas-feiras e a equipe econômica mostrou a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentária) de 2022, ainda sem definições sobre o orçamento de 2021.

Na agenda do dia ainda teremos indicadores com capacidade de influir no seguimento dos mercados, mas a expectativa inicial é de Bovespa em alta e seguindo o exterior. Dólar fraco e juros em queda. Mas os investidores vão reverberar a decisão do STF e o imbróglio no orçamento.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?