Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Mais um dia tenso

Data de criação:

access_time 04/03/2021 - 09:54

Data de atualização:

access_time 04/03/2021 - 12:54
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Estamos diante de mais um dia tenso nos mercados de risco do mundo. Ontem o mercado local operou com comportamento de gangorra, alternando momentos bem negativos e alguma recuperação. A Bovespa encerrou o dia ainda com queda de 0,32%, com índice em 111.183 pontos, oscilando quase 5 mil pontos durante o pregão, enquanto o dólar arranhou R$ 5,80, para fechar praticamente estável em R$ 5,66. Isso depois de duas intervenções do Bacen vendendo operação de swap de US$ 2 bilhões.

Hoje mercados no mundo em dia negativo. As Bolsas asiáticas encerraram o dia com fortes quedas, Europa operando no campo negativo e futuros do mercado americano com quedas nesse início de manhã. Aqui, os investidores vão repercutir a votação em primeiro turno da PEC Emergencial, e o adiamento para hoje da votação em segundoturno e avaliação dos destaques. Destaques quase sempre são derrubados. Seria bom não perder o patamar de 107 mil pontos, pois do contrário, apontara para buscar objetivo de queda em 105 mil pontos.

No Reino Unido, tensão comercial com a Irlanda do Norte na zona de fronteira, situação que já estava prevista nas discussões originais do Brexit. Já os EUA abriram um programa de US$ 40 bilhões para iniciativas de produção de energia limpa. Já as negociações comerciais entre a União Europeia e o Mercosul estão lentas, por conta exatamente de assinatura de documento com comprometimento com a área ambiental.

O vice-presidente Mourão tem encontro com embaixadores europeus para discutir a preservação da Amazônia. Hoje também é dia de reunião da OPEP, com os investidores acreditando que o corte de produção possa ser mantido, mas a situação é complicada. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 0,28% (em recuperação), com o barril cotado a US$ 61,11. O euro era transacionado em queda para US$ 1,203, e os notes de 10 anos dos EUA com taxa de juros de 1,45%, melhorando um pouco e afastando tensões. O ouro e a prata com quedas na Comex e commodities agrícolas com viés de queda.

Aqui, teremos novo dia de tensão com votação da PEC Emergencial e notícias sobre lockdown e política, mas a compra de vacinas da Pfizer e da Janssen podem ser interpretadas como positivas no que tange a imunização de rebanho e recuperação da economia, o que serve para também reduzir o estresse. De qualquer forma, o quadro segue sendo de grande volatilidade.

Na agenda do dia interna, nenhum indicador com capacidade de mexer com o mercado e ficaremos na dependência do noticiário. Nos EUA, teremos as encomendas à indústria de janeiro, os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior e dados da produtividade do trabalho.
Expectativa de Bovespa seguindo o exterior fraco, mas com capacidade de recuperar, dólar podendo realizar e juros com viés de queda.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?