Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Conteúdo por:

Mercados melhores

Data de criação:

access_time 25/05/2021 - 10:17

Data de atualização:

access_time 25/05/2021 - 13:17
format_align_left 3 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O dia pode ser de mercados novamente em alta e confirmar a aproximação do Ibovespa ao recorde de pontuação obtido lá em 08/01, acima dos 125.300 pontos.

Ontem mercados tiveram dia positivo na Europa, EUA e também aqui, com petróleo em forte alta no mercado internacional e recuperando perdas recentes (ajudou no desempenho das ações da Petrobras), mas fundamentalmente em função de declarações tranquilas de dirigentes de bancos centrais sobre a inflação em alta ser transitória e manutenção da política monetária, o que redunda em juros com comportamento mais suave.

Aqui, a B3 encerrou com alta de 1,17% e índice em 124.031 pontos e dólar em queda de 0,53% e cotado a R$ 5,32. O Dow Jones fechou com valorização de 0,54% e o Nasdaq com +1,41%, por conta do aumento do apetite ao risco dos investidores e juros em queda nos treasuries.

Hoje, os mercados da Ásia capturaram esse bom momento de ontem e fecharam com boas altas, Europa operando no campo positivo nesse início de manhã e futuros do mercado americano também com desempenho positivo. Aqui, podemos abrir o objetivo de buscar o recorde citado, com o fechamento acima de 124 mil pontos.

Os investidores ainda reverberam a postura tranquila dos bancos centrais, mas aqui teremos a prévia da inflação medida pelo IPCA-15 de maio e declarações em evento de Campos Neto, Bacen, e do ministro da Economia, Paulo Guedes. Além disso, o índice de atividade industrial de Richmond de maio nos EUA e a confiança do consumidor do Conference Board.

Na Alemanha, foi anunciada a segunda leitura do PIB do primeiro trimestre em queda de 1,8% e na comparação anual encolhendo 3,1%, pior que o previsto. Lá, o índice IFO de sentimento econômico mostrou elevação para 99,2 pontos em maio, vindo de 96.6 pontos no mês anterior. A união Europeia identificou tensões na fronteira da Irlanda do Norte, mas atribui isso a problemas do Brexit.

Dirigentes do FED voltaram a falar de forma novamente tranquila sobre inflação e juros, além do desemprego. No mercado internacional o petróleo WTI, negociado em NY, mostrava queda de 0,56%, com o barril cotado a US$ 65,68. O euro era transacionado em alta para 1,225 e notes americanos de 10 anos, comportado no patamar de 1,59%. O ouro em alta e a prata em queda na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na Bolsa de Chicago.

Aqui, Bolsonaro proibiu o ministério da Defesa e o exército de emitirem nota sobre a participação do general Pazuello nas manifestações políticas do final de semana e a Fipe divulgou o IPC da terceira quadrissemana de maio com alta para 0,33%, vindo de 0,28% anterior.

A agenda do dia tem capacidade de influir nos mercados de risco, mas a expectativa é de B3 em alta, dólar ainda fraco e juros dependendo da inflação pelo IPCA-15, que esperamos perto de 0,58%.

Bom dia e bons negócios!

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?