Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Abate recorde de frango chega a 1,57 bilhão de cabeças no trimestre

Data de criação:

access_time 08/06/2021 - 10:04

Data de atualização:

access_time 08/06/2021 - 10:04
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O abate de bovinos no primeiro trimestre de 2021 foi de 6,56 milhões de cabeças, o menor resultado desde o mesmo período de 2009. Esse índice representa uma queda de 10,6% em comparação ao 1° trimestre de 2020, e de 10,9% contra o 4º tri de 2020. Mato Grosso continua liderando o abate de bovinos, com 15,7% da participação nacional, seguido por Mato Grosso do Sul (11,7%) e São Paulo (10,2%).

Os dados são da Estatística da Produção Pecuária, divulgada hoje (8) pelo IBGE, que também mostra que foram abatidas 1,57 bilhão de cabeças de frango, um novo recorde na série histórica iniciada em 1997. A pesquisa registra que o abate de suínos foi de 12,62 milhões de cabeças no 1º trimestre de 2021, o melhor resultado para este período desde o início da série. “Houve uma continuidade da tendência observada em 2020: queda no abate de bovinos e crescimento de suínos e frangos”, explica o supervisor da pesquisa, Bernardo Viscardi.

Santa Catarina continua liderando o abate de suínos, com 28,9% da participação nacional, seguido por Paraná (20,3%) e Rio Grande do Sul (17,5%). Já o Paraná lidera amplamente o abate de frangos, com 33,1% da participação nacional, seguido por Rio Grande Sul (13,9%) e Santa Catarina (13,3%).

No que diz respeito ao abate de bovinos, o 1º trimestre de 2021 também seguiu a mesma tendência de 2020 em relação ao abate de fêmeas, cujo total para este período foi o menor desde 2003: 2,41 milhões de animais. “Ao mesmo tempo, os preços médios da arroba bovina e do bezerro atingiram valores máximos nas respectivas séries”, ressalva Viscardi. Mesmo com a queda, a exportação segue aquecida, já que a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia registrou o terceiro maior volume de carne bovina in natura exportada para o período, com recorde para um mês de março (133,82 mil toneladas).

No abate de suínos, que apresentou aumento de 5,7% em relação ao mesmo período de 2020 e de 0,6% na comparação com o 4° trimestre de 2020, além do recorde para um 1º trimestre, o mês de março atingiu a maior marca de um mês da história da pesquisa. Viscardi explica que, além da exportação aquecida, os preços do animal vivo e da carne suína no mercado interno sofreram desvalorização ao longo do trimestre, aumentando sua competitividade em relação às demais proteínas. “Nesse aspecto, há influência da restrição orçamentária dos consumidores e das medidas restritivas adotadas para conter a pandemia de Covid-19”, afirma o pesquisador.

A mesma explicação se aplica ao frango, cujo abate no 1º trimestre de 2021 foi 3,3% maior em relação ao mesmo período de 2020 e de 0,7% maior na comparação com o 4° trimestre de 2020. “Como o desempenho das exportações da carne de frango permaneceu em patamares apenas razoáveis nesse trimestre, podemos considerar que boa parte desse aumento foi destinado ao consumo interno”, diz Viscardi, lembrando que o preço da carne de frango é mais favorável à grande parcela da população na comparação com as outras proteínas concorrentes, principalmente a carne bovina.

Aquisição de leite e produção de ovos batem novos recordes

De acordo com a pesquisa, a aquisição do leite cru foi de 6,56 bilhões de litros, um aumento de 1,8% em relação ao 1° trimestre de 2020, e redução de 3,5% em comparação com o trimestre imediatamente anterior, período em que regularmente há queda de produção em relação ao 4º tri de cada ano. Apesar disso, o resultado representa a maior captação de leite acumulada em um 1° trimestre, superando o recorde anterior, de 2020.

Já a produção de ovos de galinha foi de 978,25 milhões de dúzias, 0,3% maior que o apurado no 1º trimestre de 2020 e 1,3% menor que o registrado no trimestre imediatamente anterior. “Apesar da queda em relação ao último período, o resultado foi recorde para um 1º trimestre”, aponta Viscardi. Embora o setor continue sendo impactado pela alta dos custos de produção, a demanda seguiu aquecida pelo preço acessível do ovo frente a outras proteínas.

Na Pesquisa Trimestral do Couro, os curtumes declararam ter recebido 7,07 milhões de peças de couro no 1º trimestre, o que representa reduções de 6,6% em relação ao adquirido no 1° trimestre de 2020 e de 8% contra o 4º trimestre de 2020. Foi a menor obtenção de peças para o período desde 2002.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?