Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ANÁLISE: Ata do Fed da reunião de abril

Data de criação:

access_time 20/05/2020 - 17:26

Data de atualização:

access_time 20/05/2020 - 17:26
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As minutas da última reunião do FOMC (finalizada no dia 29/04) tem poucas novidades se comparado aos comentários recentes de membros do comitê.

O cenário econômico é descrito de forma bastante desafiadora. A queda no PIB do segundo trimestre será sem precedentes. O comitê mostra especial preocupação com o efeito da pandemia sobre o mercado de trabalho e, em termos de inflação, destaca que apesar de algumas pressões de preço pontuais por conta de rupturas na oferta, o choque é visto como majoritariamente desinflacionário.

Em termos de cenário prospectivo, destaca-se a ampla incerteza. Há possibilidade tanto de uma retração prolongada da demanda por conta de alteração da estrutura econômica e do comportamento dos agentes em consequência a pandemia (cintando-se a possibilidade de algumas indústrias não voltarem a ativa) como também a possibilidade de uma retomada mais acelerada por conta da redução do risco da saúde pública. No entanto, o texto indica claramente que a maioria do comitê vê a primeira possibilidade, com todos os seus desdobramentos, como preponderante.

As minutas se destacam pela discussão em torno do forward guidance. Aqui, o comitê levanta tanto a possibilidade de vincular a postura de política monetária a um outcome econômico específico, como também a possibilidade de garantir um determinado período de manutenção da taxa de juros no patamar atual. Novamente, a discussão parece dar preferência para a primeira opção em detrimento da segunda.

Em suma, temos um comitê que está satisfeito com os efeitos das medidas implementadas até o momento, mas que vê o cenário com um grau razoavelmente grande de cautela e incerteza, colocando-se pronto para atuar novamente caso necessário. Ao mesmo tempo, o comitê garante que o estado de política monetária permanecerá amplamente acomodativo no curto e médio prazo.

*Felipe Sichel, estrategista-chefe do modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?