Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ANÁLISE: Conference Board Consumer Confidence dos EUA para abril

Data de criação:

access_time 28/04/2020 - 14:22

Data de atualização:

access_time 28/04/2020 - 14:22
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O índice de confiança do consumidor medida pela conference board veio praticamente em linha com o esperado pelo mercado, representando uma forte queda do patamar registrado no mês anterior e mostrando avanço nas expectativas enquanto a parte de condições correntes despencou.

Conference Board Consumer Confidence: 86.9 (esperado: 87; anterior: 120)
Conference Board Expectations: 93.8 (anterior: 88.2 revisto para 86.8)
Conference Board Present Situation: 76.4 (anterior: 167.7 revisto para 166.7)

Chama bastante atenção a severa queda na parte de presente situation. No entanto, analisando-se a divergência entre esta e a parte de expectativas, percebe-se evidentemente a confirmação da ‘sudden-stop’: há deterioração iminente e aguada na situação atual, mas as expectativas para seis meses a frente melhoram.

No entanto, deve-se ressaltar um elemento relevante na parte de expectativas: continua aumentando de forma significativa a quantidade de entrevistados que esperam piora à frente. A melhora nas expectativas vem, essencialmente, do fato de que houve concomitantemente um salto nos entrevistados que esperam melhora (de um nível muito baixo).

A medição de labour differential, relevante indicador antecedente de mercado de trabalho, mostra forte deterioração e cai ao menor patamar desde 2014. Isto basicamente reforça o cenário já estabelecido pelo initial jobless claims.

Em suma, temos uma economia evidentemente a caminho de um processo contracionista agudo ao longo do segundo trimestre. A expectativa de melhora definitiva ocorrerá somente ao longo da passagem dos primeiros impactos do COVID-19 e a retomada gradual da abertura da economia.

*Felipe Sichel, estrategista-chefe do modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?