Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ANÁLISE: CPI dos EUA

Data de criação:

access_time 12/05/2021 - 11:10

Data de atualização:

access_time 12/05/2021 - 11:10
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O CPI de abril apresentou variação acima do esperado tanto no headline (0.8% vs. 0.2% esperado) como na leitura subjacente (0.9% vs. 0.3% esperado). Este é o maior avanço mensal da leitura subjacente desde a década de 80 do século passado.

A surpresa no índice é inegável. No entanto, sustentamos que os próximos meses apresentarão forte volatilidade nos dados por conta da sedimentação do processo de reabertura. Para efeitos do FED, a menos que haja sustentação da inflação acima de 2% por um período razoavelmente longo de tempo, o elevado desemprego deveria prevalecer na definição de política monetária.

Comentário:

O CPI de abril apresentou variação acima do esperado tanto no headline (0.8% vs. 0.2% esperado) como na leitura subjacente (0.9% vs. 0.3% esperado). Este é o maior avanço mensal da leitura subjacente desde a década de 80 do século passado.

A alta do CPI foi disseminada subjacente foi disseminada, mostrando avanço tanto na parte de bens (+2%, forte avanço do 0.1% registrado no mês passado) como nos serviços (+0.5%).

Por dentro de bens, nota-se forte salto nos carros usados, que saltaram impressionantes 10% no mês e 21% YoY, contribuindo com quase um terço do avanço no índice mensal.

Note-se que outras aberturas também tiveram leitura forte, especificamente vestuário (0.3%), veículos novos (0.5%) e bens médicos (0.6%).

Já por dentro de serviços, moradia segue acelerando com avanço de 0.4%. Isto por sua vez é compensado por serviços médicos que registraram 0% no mês.

O destaque fica por conta de transportes, impulsionado pelo tradicionalmente volátil grupo de passagens aéreas (10.2% no mês). Seguros desaceleraram depois da forte leitura do mês passado de 3.3% para 2.5%%.

*Por Felipe Sichel, estrategista-chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?