Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ANÁLISE: EUA e os Durable Goods para junho

Data de criação:

access_time 27/07/2020 - 11:46

Data de atualização:

access_time 27/07/2020 - 11:46
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

As encomendas de bens duráveis em junho surpreenderam positivamente no headline e nas leituras que entram diretamente na estimativa do PIB.

Os dados tem evidente viés positivo sobre o PIB no final do segundo trimestre. Isto ocorre em decorrência do relaxamento dos protocolos de isolamento social (a nível local e global) bem como dos estímulos monetários e fiscais implementados desde o final do primeiro trimestre. Destaca-se, no entanto, o alerta para a ruptura das cadeias produtivas decorrente do novo surto de COVID19 nos estados do sul dos EUA, o que pode impactar definitivamente a atividade neste começo de trimestre. Os surveys regionais divulgados até o momento, no entanto, não indicam esta perda de dinamismo.

Comentários:

As encomendas de bens duráveis em junho surpreenderam positivamente no headline e nas leituras que entram diretamente na estimativa do PIB.

Durable Goods Orders (%MoM): 7.3% (esperado: 6.9%; anterior: 15.7%, rev. p/ 15.1%)
Durable Ex-Transp. (%MoM): 3.3% (esperado: 3.6%; anterior: 3.7%, rev. p/ 3.6%)
CG Orders Nondef. Ex-Air (%MoM): 3.3% (esperado: 2.2%; anterior: 1.6%)
CG Shipments Nondef. Ex-Air (%MoM): 3.4% (esperado: 2.4%; anterior: 1.5%, rev. p/ 1.6%)

A leitura de encomendas em três meses anualizada demonstra de forma clara o tamanho do impacto na atividade ao longo do segundo trimestre. O índice vario impressionantes -20.3%, quinto mês seguido de desaceleração, sendo o terceiro em território negativo. O componente de envios trimestral anualizado caiu -19.8%, quarto mês consecutivo em terreno negativo.

Por dentro do índice, chama novamente atenção a forte queda na encomenda de aviões civis, que desaceleraram impressionantes -462.3% no mês e -205.3% no ano. Por outro lado, veículos avançaram 85.7% no mês, levando a leitura comparada ao ano anterior para uma queda de -10.1%.

Os grupos de maquinário, eletrônicos, equipamentos elétricos e metais tiveram variação positiva das encomendas, sendo que fora eletrônicos todos tiveram variação positiva também na abertura por envios.

Os dados tem evidente viés positivo sobre a projeção do PIB no final do segundo trimestre. Isto ocorre em decorrência do relaxamento dos protocolos de isolamento social (a nível local e global) bem como dos estímulos monetários e fiscais implementados desde o final do primeiro trimestre.

Destaca-se, no entanto, o alerta para a ruptura das cadeias produtivas decorrente do novo surto de COVID19 nos estados do sul dos EUA, o que pode impactar definitivamente a atividade neste começo de trimestre. Os surveys regionais divulgados até o momento, no entanto, não indicam esta perda de dinamismo.

Para a frente, seguimos esperando recuperação sequencial da economia americana ao longo do segundo semestre do ano, bem como implementação de forward guidance do FED a partir da reunião de setembro.

*Felipe Sichel, estrategista-chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?