Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ANÁLISE: IPCA e a prévia

Data de criação:

access_time 25/03/2021 - 14:26

Data de atualização:

access_time 25/03/2021 - 14:26
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A leitura do IPCA-15 de março veio praticamente em linha com nossa projeção, mostrando avanço de 0.93% (MoM, SA).

O cenário para o BC é incrementalmente mais desafiador. A inflação traz sinais de mais pressão em industriais e o câmbio permanece como fator de risco. Apesar de mantermos o call de 75bps de alta no próximo COPOM, a possibilidade de 100 deve ser encarada com seriedade.

Comentários:

A leitura do IPCA-15 de março veio praticamente em linha com nossa projeção, mostrando avanço de 0.93% (MoM, SA).

Por dentro do índice vemos avanço de preços administrados (+2.66%), enquanto livres retrocederam para 0.34%. A abertura pelo critério BC mostra desaceleração em serviços para 0.08% (ainda que serviços subjacentes avancem).

Por outro lado, bens industriais avançaram de 0.60% no mês anterior para 1% neste mês. A leitura subjacente também mostrou avanço. Grande parte do movimento está associado ao avanço do etanol (+16.38%), representando cerca de 0.45% do aumento nesta abertura. Ou seja, mesmo retirando a variação do etanol, industriais ainda avançariam 0.55%.

Vemos novo arrefecimento da média dos núcleos para 0.41%, enquanto a difusão passou para 65.6%.

O cenário para o BC é incrementalmente mais desafiador. A inflação traz sinais de mais pressão em industriais e o câmbio permanece como fator de risco. Apesar de mantermos o call de 75bps de alta no próximo COPOM, a possibilidade de 100 deve ser encarada com seriedade.

*Felipe Sichel é estrategista-chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?