Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ANÁLISE: PCE dos Estados Unidos

Data de criação:

access_time 30/04/2020 - 12:44

Data de atualização:

access_time 30/04/2020 - 12:44
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O PCE Core de março veio em linha com a expectativa de mercado, mostrando variação negativa de -0.1%. Vale ressaltar que o numero é antecipado pela divulgação do PIB do primeiro trimestre ocorrido ontem.

Com esta evolução mensal, a variação mensal subjacente ficou em 1.7% (igual a expectativa e abaixo dos 1.8% registrados anteriormente). Demonstra-se, de forma contundente, a trajetória desinflacionaria da economia americana ante o choque do coronavirus e dos preços do petróleo.

A parte de serviços avançou 0.02% no mês, enquanto bens duráveis desacelerou -0.44% no mês e bens não duráveis, -1.12%.

Em suma, não vemos nenhum risco inflacionário no horizonte americano, salvo a possibilidade de que o choque de demanda se transforme em um choque de oferta. Soma-se na desinflação dos bens, a forte pressão desinflacionaria nos serviços de transporte e no grupo de moradia (nossas simulações indicam defasagem de nove meses para o desemprego impactar significativamente neste setor).

Ou seja, aceleração de preços não será uma preocupação para o FED pelo menos até o final do ano que vem. Pelo contrário, o maior desafio da instituição no momento é garantir o funcionamento dos mercados e evitar a intensificação da queda das expectativas de inflação.

*Felipe Sichel, estrategista-chefe do modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?