Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

ANÁLISE: Vendas no Varejo do Brasil

Data de criação:

access_time 08/06/2021 - 11:20

Data de atualização:

access_time 08/06/2021 - 11:20
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O volume de vendas do varejo restrito se recuperou e cresceu 1,8% em abril (23,8% yoy), acima das nossas expectativas de 0% (20,3% yoy) e do consenso do mercado de -0,3% (18,4% yoy). O varejo ampliado (3,8% mom e 41% yoy) também veio mais forte que o esperado por nós (1,4% mom e 33% yoy) e pelo mercado (2,1% mom e 37% yoy). Os números surpreendem positivamente, mesmo com a varição mensal do mês anterior sendo revisada em 0,05 pp para baixo.

Por dentro do índice do varejo restrito, recuperação de todos os indicadores, com exceção de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,7%). Em destaque, recuperação forte de Tecidos, vestuário e calçados (13,8%), Móveis e eletrodomésticos (24,8%) e Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (10,2%). Ao varejo ampliado, somam-se os fortes avanços de Veículos, motocicletas, partes e peças (20,3%) e de Materiais de construção (20,3%).

O mês de abril foi marcado pelo início da reabertura da economia após as restrições impostas em março e pelo retorno do auxílio emergencial, fatores determinantes para a recuperação. Após uma surpresa positiva com a atividade no primeiro trimestre, o volume de vendas no varejo indica uma retomada mais forte no segundo trimestre. Para o IBC-Br, nossa projeção preliminar se encontra marginalmente positiva em 0,02%, ainda aguardando a PMS da próxima sexta-feira.

*Por Felipe Sichel é estrategista-chefe do banco digital modalmais

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?