Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Ata do Fed ressalta falta de estímulos e taxa de juros prolongadas

Data de criação:

access_time 25/11/2020 - 17:35

Data de atualização:

access_time 25/11/2020 - 17:35
format_align_left 4 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Na ata da última reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês), que ocorreu entre os dias 05 e 06 de novembro, os membros do banco central dos Estados Unidos destacaram os desempenhos do Produto Interno Bruto, o avanço no setor de trabalho ao longo do primeiro semestre deste ano e as influências da pandemia de coronavírus, tanto na vida dos americanos quanto na economia como um todo.

“As condições financeiras pouco mudaram ao longo do período intermediário e permaneceram acomodatícias. Os participantes do mercado sugeriram que as expectativas em evolução para os Estados Unidos a política fiscal, bem como dados econômicos mais sólidos do que o esperado e relatórios de lucros corporativos ajudaram a apoiar os preços das ações. Mais tarde, no período entre reuniões, no entanto, o aumento dos casos de COVID-19 na Europa e nos Estados Unidos pesou sobre as perspectivas, e os preços das ações reverteram alguns de seus ganhos anteriores.

“A volatilidade implícita no mercado de ações aumentou durante o período intermediário, refletindo as incertezas associadas a eleição nos Estados Unidos e a trajetória futura da política fiscal, bem como preocupações com a trajetória dos casos COVID-19. O Comitê provavelmente começará a aumentar a faixa-alvo para a taxa de fundos federais em meados de 2024”, ressaltaram os membros do Fomc na ata.

Apesar do cenário nem tão ruim, os membros do Fomc consideram a falta de progresso em direção a um acordo sobre estímulos fiscais adicionais e, com isso, o corpo técnico removeu a suposição de que uma parcela adicional de apoio à política fiscal seria promulgada. “Embora se esperasse que essa falta de apoio fiscal adicional causasse dificuldades significativas para várias famílias, a equipe agora avaliou que a poupança acumulada por outras famílias seria suficiente para permitir que o consumo total fosse amplamente mantido até o final do ano”, escreveram. Com isso, na projeção de setembro, o corpo técnico continuou a esperar uma recuperação rápida, mas parcial, da atividade ao longo do segundo semestre do ano, depois da contração sem precedentes na primavera.

A previsão de inflação para o resto do ano foi revisada ligeiramente para cima em resposta às leituras de inflação que foram, no geral, mais elevadas do que o esperado. No entanto, a inflação ainda estava projetada para terminar o ano em um nível relativamente moderado, refletindo margens substanciais de folga nos mercados de trabalho e do produto e as grandes quedas nos preços da energia no consumidor observadas no início do ano.

Dados recentes sobre a arrecadação de impostos também sugeriram que as posições fiscais dos estados e municípios se deterioraram menos do que o esperado, o que levou o corpo técnico a impulsionar a trajetória projetada de compras dos governos estaduais e locais.

“Com a suposição de que a política monetária permanecerá altamente acomodatícia e as medidas de distanciamento social deverão diminuir ainda mais, o corpo técnico continuou a projetar que o PIB real a médio prazo ultrapassaria o potencial, levando a uma nova queda considerável da taxa de desemprego. Esperava-se, por sua vez, que a resultante redução da folga econômica causaria um aumento gradual da inflação, e a taxa de inflação foi projetada para ultrapassar moderadamente 2% por algum tempo nos anos posteriores a 2023, uma vez que a política monetária permaneceu acomodatícia”, disseram.

A trajetória da economia dependerá significativamente do curso do vírus. A atual crise de saúde pública continuará a pesar sobre a atividade econômica, o emprego e a inflação no curto prazo e apresenta riscos consideráveis ​​para as perspectivas econômicas no médio prazo.

Comunicado da Reunião

Na reunião do começo do mês, o Comitê decidiu manter a faixa da meta para a taxa de fundos federais em 0 a 0,25% e segue perseguindo a inflação subindo para 2% e a caminho de exceder moderadamente 2% por algum tempo.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?