Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Clima de Negócios de Chicago subiu 75,2 em maio

Data de criação:

access_time 28/05/2021 - 14:52

Data de atualização:

access_time 28/05/2021 - 14:52
format_align_left 2 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

O Clima de Negócios de Chicago – Business Barometer, subiu 75,2 em maio, o nível mais alto desde novembro de 1973. A demanda impulsionou a atividade empresarial, mas as restrições da cadeia de suprimentos permanecem.

Entre os cinco principais indicadores, Novos Pedidos e Pedidos em Carteira registraram os maiores ganhos, enquanto o Emprego registrou a única queda.

A demanda permaneceu forte em maio, com os Novos Pedidos saltando para o nível mais alto desde dezembro de 1983. O índice ganhou 7,7 pontos em maio, enquanto a Produção desacelerou 2,3 pontos. Evidências sinalizam forte demanda do consumidor, em parte, devido ao medo da indisponibilidade de matéria-prima.

A carteira de pedidos saltou 7,5 pontos, atingindo a maior alta em 70 anos. As empresas observaram problemas logísticos e falta de pessoal. Os estoques caíram para uma baixa de nove meses, a segunda leitura consecutiva abaixo da marca de 50.

Maio viu o emprego contraindo, depois de dois meses de leituras acima de 50. O indicador recuou 6,5 pontos e empresas indicaram dificuldades em encontrar novos funcionários.

As entregas aos fornecedores aumentaram 5,9 pontos, para uma alta de 47 anos, com as restrições da cadeia de suprimentos permanecendo um problema sério. As empresas observaram atrasos contínuos nas entregas por problemas de transporte e falta de material.

Os preços pagos na porta da fábrica caíram 3,1 pontos em maio, abaixo do recorde de 41 anos em abril. No entanto, vários entrevistados disseram que os preços de commodities, como aço, plástico, cobre ou componentes eletrônicos, pesaram.

Universidade de Michigan

Ainda hoje, a confiança do consumidor nos Estados Unidos enfraqueceu modestamente. O Índice de Sentimento do Consumidor caiu para 82,9 (final) em maio, depois da alta de 88,3 em abril, conforme a pesquisa da Universidade de Michigan. Esta leitura veio ligeiramente acima da estimativa de 82,8 e correspondeu à expectativa do mercado.

A pesquisa mostrou também que o Índice de Condições Econômicas Atuais caiu para 89,4 de 97,2 e o Índice de Expectativas do Consumidor caiu para 78,8 de 82,7.

O US Dollar Index – DXY, que compara o desempenho da divisa americana na cesta com mais seis moedas, segue em território positivo acima de 90,00.

*Tradução ID do relatório

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?