Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Economatica mostra Evolução da Alocação de Títulos Públicos

Data de criação:

access_time 07/05/2020 - 13:54

Data de atualização:

access_time 07/05/2020 - 13:54
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A Economatica fez o levantamento da evolução e alocaçãode títulos públicos e operações compromissadas na indústria de fundos. O levantamento foi efetuado considerando as seguintes condições: listados todos os fundos ativos e inativos de dezembro de 2014 até março de 2020 para a verificação da alocação dos fundos em títulos públicos e operações compromissadas, portanto a amostra de fundos é variável no tempo e representa uma amostra real da indústria mês a mês.

Para a análise do total de alocação em títulos públicos e operações compromissadas foram utilizadas todas as posições informadas nas carteiras disponibilizadas pelos gestores na Comissão de Valores Mobiliários – CVM e, mesmo que as posições detalhadas estejam escondidas conforme regulamentação, as posições totais foram informadas, o que permitiu uma amostra real da alocação de estes instrumentos na indústria.

Para a análise detalhada por tipo de título público ou operação compromissada o levantamento estava com as posições 100% corretas até o mês de janeiro, que era a última carteira aberta com detalhamento conforme normativa CVM.

No mês de março de 2020, o volume alocado pela indústria em Títulos Públicos foi de R$ 2,12 trilhões, valor 4,85% inferior ao do mês de fevereiro de 2020 ou 166,5% superior a dezembro de 2014. No mês de fevereiro de 2015, os Títulos Públicos passaram a ter maior representatividade que as OC´s.

O volume financeiro alocado em Operações Compromissadas no mês de março foi de R$ 1,02 trilhão e representou crescimento de 4,48% com relação ao mês de fevereiro.

Evolução dos tipos de títulos públicos

O levantamento considerou as posições com 100% de assertividade até o mês de janeiro de 2020 e demonstrou que o maior volume alocado na indústria de fundos foi em LFT´s, que no mês de janeiro concentravam R$ 1,12 trilhão. Desde março de 2019, o volume financeiro alocado em LFT´s vinha subindo consecutivamente todo mês. Os valores de fevereiro alocados em LFT´s foram de R$ 1,04 trilhão, mas não considerado 100% da alocação porque alguns fundos estavam com as posições detalhadas em Títulos Públicos escondidas. Da mesma maneira, o número de março de R$ 971 bilhões não estava 100% consolidado.

As NTNB´s no mês de janeiro receberam alocação de R$ 712 bilhões, este valor estava consolidado com todos os fundos abertos, já as posições de fevereiro e março estavam parciais.

As LTN´s responderam por R$ 204 bilhões, as NTN-F´s por R$ 83 bilhões e as NTN-C´s por R$ 72 bilhões em janeiro, lembrando que as posições de fevereiro e março eram parciais.

Ativos mais alocados na indústria de fundos no mês de janeiro de 2020

O volume total alocado em Títulos Públicos e Operações Compromissadas no mês de janeiro de 2020 foi de R$ 3,19 trilhões.

A LFT 210100 2024-09-01 foi a mais alocada em janeiro de 2020 com R$ 230,9 bilhões, o que representou 7,24% do total alocado em Títulos Públicos na indústria.

Dos 25 instrumentos mais alocados em janeiro, sete eram do tipo Operações Compromissadas e 18 de Títulos Públicos.

Nove eram de Títulos Públicos LFT, oito NTN-B Títulos Públicos, 5 LFT Operações Compromissadas, 01 LTN Título Público, 01 LTN Operação Compromissada e 01 NTN-C Operação Compromissada.

Os 25 principais ativos concentram 69,94% do total alocado na indústria de fundos em Títulos Públicos e Operações compromissadas (Ver tabela na página da matéria).

Principais posições de Títulos Públicos

O volume total alocado em Títulos Públicos no mês de janeiro de 2020 foi de R$ 2,22 trilhões, sendo que a LFT 210100 2021-09-01 com a maior posição com R$ 186,6 bilhões, o que representou 8,4% do total.

Das 25 maiores posições, em 11 eram NTN-B´s, 10 LFT´s, 2 NTN-C, 1 LTN e 1 TDAE. Os 25 ativos concentram 83,66% do total alocado na indústria de fundos.

Operações Compromissadas.

O volume total alocado em Operações Compromissadas no mês de janeiro de 2020 era de R$ 969,1 bilhões, sendo que a LFT 210100 2022-09-01 com a maior posição em R$ 230,9 bilhões, o que representou 23,83% do total.

Os 25 ativos concentram 91,61% do total alocado na indústria de fundos.

Gestores com maiores posições em Títulos Públicos

O BB Gestão de Recursos Dtvm S.A. teve a maior posição com R$ 557,2 bilhões, que representou 25,08% do total alocado na indústria de fundos. A BRAM com 14,34% tem a segunda maior posição.

As 25 gestoras com maiores posições concentram 85,51% do total.

Gestores com maiores posições em Operações Compromissadas

O BB Gestão de Recursos Dtvm S.A. com 338,7 bilhões foi a gestora com maior posição, o que representa 34,95% do total alocado na indústria em Operações compromissadas.

O Itau Unibanco com 18,04% foi a segunda maior posição.

As 25 gestoras com maiores posições concentram 89,82% do total.

Principais posições

A principal posição da gestora foi a LFT 210100 2021-09-01 com R$56,1 bilhões, que representou 10,07% do total alocado pelo BB Gestão de Recursos.

As 25 maiores posições concentram 86,77%.

Títulos públicos

A principal posição da gestora é LFT 210100 2021-09-01 com R$33,5 bilhões que representam 10,52 % do total alocado em Títulos Públicos pelo Bradesco Asset Management S.A. BRAM. As 25 maiores posições concentram 95,3%.

A principal posição da gestora é a LFT 210100 2021-09-01 com R$ 47,9 bilhões, que representam 17,68 % do total alocado em Títulos Públicos pelo Itau Unibanco.

As 25 maiores posições concentram 90,93%.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?