Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

Economia da Zona do Euro fica em 49,1 no mês de dezembro

Data de criação:

access_time 06/01/2021 - 11:12

Data de atualização:

access_time 06/01/2021 - 11:12
format_align_left 1 minuto de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

A economia do setor privado da Zona do Euro se contraiu pelo segundo mês consecutivo em dezembro, embora a uma taxa muito mais lenta. Depois de contabilizar os fatores sazonais, o índice IHS Markit Eurozone Composto aumentou de 45,3 em novembro para 49,1 em dezembro, porém, o resultado final foi inferior à leitura do flash de 49,8.

Os serviços continuaram sendo o principal obstáculo à produção econômica, com a atividade caindo pelo quarto período consecutivo de pesquisa. Em linha com a tendência recente, a manufatura continuou sendo o principal destaque do desempenho econômico da Zona do Euro, expandindo-se pelo sexto mês consecutivo e a uma taxa mais rápida do que em novembro.

O índice IHS Markit Eurozone Services Business Activity se recuperou da baixa de seis meses de novembro de 41,7 em dezembro, mas permaneceu firmemente abaixo da marca de 50,0 sem mudanças para sinalizar outra queda na atividade de serviços. Com 46,4, o índice registrou uma contração na atividade pelo quarto mês consecutivo.

Todas as 18 nações, exceto a Irlanda, registraram um declínio na atividade. A Itália registrou de longe a redução mais acentuada, seguida pela Alemanha e depois pela Espanha.

Irlanda 53,4 com quatro meses de alta;
Alemanha 52,0 (flash: 52,5) com dois meses de alta;
França 49,5 (flash: 49,6) com quatro meses de alta;
Espanha 48,7 – máximo de cinco meses; e
Itália 43.0, máximo de dois meses.

A menor atividade do setor de serviços no nível agregado foi novamente estreitamente correlacionada aos volumes reduzidos de entrada de novos trabalhos, que caíram pelo quinto mês consecutivo. Os efeitos do distanciamento social e das viagens as restrições foram destacadas por dados sobre novos negócios de exportação, que mostraram uma queda acentuada novamente.

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?