Usamos cookies para segurança, melhor experiência e personalização de conteúdo de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Clique em "Configurar cookies" para gerenciar suas preferências.

X

Para "Aceitar", selecione os itens e clique no botão abaixo:

FECHAMENTO: Sem agenda e com foco nos balanços

Data de criação:

access_time 23/04/2021 - 20:12

Data de atualização:

access_time 23/04/2021 - 20:22
format_align_left 5 minutos de leitura

Quer saber como investir?

Abra AGORA sua conta no banco digital dos investidores

QUERO ABRIR MINHA CONTA

Os principais mercados acionários globais ficaram sem direção nesta sexta-feira (23/04). Com poucos indicadores econômicos, os investidores aproveitaram para embolsar lucros, como na Europa, e ajustar, como em Wall Street. Apesar disso, o lado negativo segue com a pandemia de coronavírus, que não dá trégua em várias partes do mundo e transformando a Índia no novo epicentro da Covid-19.

Os índices de peso na bolsa de Nova York fecharam em campo positivo, mas perderam força na semana. Os índices do Gerentes de Compras estão avançando para recordes em abril. As vendas de casas também subiram nos Estados Unidos.

Na Europa, depois dos ganhos de ontem, as bolsas de ações caíram. Os índices dos Gerentes de Compras ficaram no radar, mas com a atenção para o desempenho negativo da Alemanha. Ontem, o Banco Central Europeu manteve inalterada a política monetária.

Na Ásia, as bolsas ficaram no azul. Porém, o governo do Japão deverá decretar novas medidas restritivas com os casos de coronavírus castigando Tóquio, Osaka e mais três cidades.

Por aqui, o Ibovespa fechou o pregão em alta, mas não teve força para subir na semana. O Orçamento da União saiu do forno e promoveu uma série de análises. Contudo, as expectativas estão elevadas para a semana que vem, já que será instalada a CPI da Covid-19, é fechamento de mês e chega a enxurrada de balanços financeiros do primeiro trimestre de 2021.

Em todos os mercados, entretanto, os investidores acompanharam as declarações e compromissos assumidos pelos líderes mundiais no último dia da “Cúpula sobre o Clima”. O evento foi virtual e liderado pelo presidente dos Estados Unidos Joe Biden.

O dólar comercial subiu no pregão e caiu na semana.

Coronavírus:

O levantamento do Centro de Sistemas, Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Estados Unidos, mostra que são 145.202.877 casos confirmados de contágio pelo coronavírus no mundo, com 3.081.348 mortes e 83.479.785 pessoas recuperadas

Nos Estados Unidos são 31.985.005 casos confirmados, com 571.091 mortes. A plataforma não fornece resultado geral de pessoas recuperadas.

O Brasil voltou para o 3º lugar no ranking pela plataforma do Johns Hopkins. São 14.237.078 casos confirmados, sendo que o número de mortes está em 386.416. São 12.577.038 pessoas recuperadas.

O levantamento é de 19h58 desta sexta-feira (23/04) pelo horário de Brasília.

Mercados de Ações Globais

Ásia: Hang Seng, bolsa de Hong Kong, fechou em alta de 1,12% aos 29.078. O Xangai, China, ficou em alta de 0,26% aos 3.474. O Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em queda de 0,57% aos 29.020. O Topix caiu 0,39% aos 1.914. O Sensex, bolsa de Mumbai, ficou em queda de 0,42% aos 47.878. O XJO, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,08% aos 7.060. O Kospi, bolsa de Seul, ficou em alta de 0,27% aos 3.186.

Europa: o índice Stoxx Europe 600 fechou em queda de 0,13% aos 439.04 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou estável aos 6.938; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em queda de 0,27% aos 15.279; o CAC 40 (Paris) ficou em queda de 0,15% aos 6.257; o FTSE-MIB (Milão) ficou estável aos 24.386; o Ibex 35 (Madri) ficou em queda de 0,44% aos 8.618; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,21% a 5.000.

Estados Unidos: o Dow Jones subiu 0,67% aos 34.043. O S&P ficou subiu 1,09% aos 4.180. O Nasdaq subiu 1,44% aos 14.016. Na semana, o Dow caiu 0,5%, o S&P 500 caiu 0,1% e o Nasdaq caiu 0,3%.

Brasil: o Ibovespa fechou em alta de 0,97% aos 120.530 pontos. Na semana, o índice caiu 0,48%. O volume financeiro ficou em R$27,25 bilhões.

Moedas: o dólar comercial ficou em alta de 0,78% aos R$5,497 para a venda. Na semana, a queda foi de 1,56%. O turismo subiu 0,48% aos R$5,660 para a venda.

O euro ficou em alta de 1,51% aos R$6,651 para a venda. A libra subiu 0,93% aos R$7,629 para a venda. O peso argentino subiu 0,71% aos R$0,059 para a venda.

O Banco Central do Brasil – BCB vendeu o lote de 15 mil contratos. Foram 6.500 contratos com vencimento para 01 de novembro e o restante com vencimento para 01 de abril de 2022.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em queda de 0,55% a 90,82.

O euro ficou em alta de 0,66% a US$ 1.2096 e a libra esterlina ficou em alta de 0,28% a US$1.3880.

O preço do ouro caiu 0,30% a US$ 1.776,60 a onça.

O Bitcoin caiu 4,23% a US$51,060,85.

Commodities
O petróleo referência Brent ficou em queda de 0,11% a US$66,04 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 0,99% aos US$62,04 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O preço do minério de ferro negociado no Porto de Qingdao ficou em alta de 1,43% a US$186,25 a tonelada seca.

*Por Ivonéte Dainese

Pretende diversificar a
sua carteira
de investimentos?